Os resultados de dois estudos publicados recentemente mostram que os sintomas associados ao autismo podem ser identificados já no primeiro ano de vida e que a detecção precoce permite a intervenção terapêutica já no início do segundo ano de vida.

Os estudos, conduzidos pela Dra. Hanna A. Alonim, do Centro Mifne para Intervenção Precoce no Tratamento do Autismo e da Unidade de Educação Continuada da Escola de Serviço Social Weisfeld da Universidade Bar-Ilan, junto com os parceiros Dr. Ido Lieberman, Giora Schayngesicht , Dr. Hillel Braude, e Dr. Danny Tayar, foram recentemente publicados no International Journal of Pediatrics & Neonatal Care .

O primeiro estudo enfocou a detecção precoce do autismo com base em gravações de vídeo de bebês, e o segundo comparou o impacto de intervenções terapêuticas que começaram em duas fases diferentes da vida. Juntos, os artigos destacam as perspectivas de diagnosticar autismo antes da idade de um ano e melhorar o progresso daqueles diagnosticados por meio de intervenção terapêutica precoce.

Em Israel, o autismo é geralmente diagnosticado na idade de um ano e meio, o que é considerado precoce em comparação com os países ocidentais. Em outros países, a idade média de diagnóstico é de dois anos e meio, o que atrasa significativamente os tratamentos de intervenção e pode aumentar a gravidade dos sintomas.

No primeiro estudo, realizado no Centro Mifne ao longo de uma década, os pesquisadores examinaram em que fase da infância surgiram os primeiros sinais que poderiam levantar suspeitas de desenvolvimento de autismo. Cento e dez meninos e meninas de Israel, dos Estados Unidos e da Europa participaram, todos com diagnóstico de autismo entre as idades de dois e meio e três anos.

Os pais gravaram vídeos de seus bebês desde o nascimento até o primeiro ano de vida. Especialistas em desenvolvimento infantil que nunca conheceram os bebês assistiram aos vídeos e foram solicitados a identificar comportamentos que se desviaram do desenvolvimento típico.

Eles descobriram que em 89% dos bebês os sintomas podiam ser observados na idade de quatro a seis meses, mas a maioria dos pais não sabia como interpretar o significado desses sinais no desenvolvimento ou esperava que alguns dos sinais que notaram funcionassem por si próprios mais tarde. As descobertas iniciais deste estudo foram publicadas no Israeli Journal of Pediatrics, vol. 76, em 2011.

Os sinais associados ao autismo identificados foram falta de contato visual, falta de resposta à voz ou presença dos pais, passividade excessiva ou, alternativamente, atividade excessiva, atraso no desenvolvimento motor, recusa em comer, aversão ao toque e crescimento acelerado do perímetro cefálico. Todos os sinais foram classificados de acordo com a frequência e posteriormente avaliou-se o aparecimento simultâneo de vários sinais para um diagnóstico mais preciso.

Como ainda não existem ferramentas biológicas empíricas comprovadas para o diagnóstico do autismo, a detecção precoce por meio da observação comportamental é de grande importância, pois é assim que o tratamento pode ser iniciado precocemente. Após este estudo, uma ferramenta de triagem conhecida como ESPASSI © foi desenvolvida pelo Centro Mifne para detectar bebês em risco de autismo e usada como piloto no Hospital Ichilov.

O segundo estudo comparou dois grupos de idade com diagnóstico de autismo que foram tratados no Centro Mifne: um grupo incluiu 39 crianças tratadas no terceiro ano de vida; o segundo grupo de 45 lactentes atendidos no segundo ano de vida. A intervenção começou como terapia intensiva por três semanas no Centro Mifne e continuou como tratamento pós-tratamento por seis meses nas casas das crianças por meio de terapeutas que se formaram no programa de treinamento Mifne na Universidade Bar-Ilan.

O tratamento era baseado na abordagem biopsicossocial e incluía implicitamente não apenas os bebês, mas também pais e membros da família nuclear. As intervenções abordaram os aspectos físicos, sensoriais, motores, emocionais e cognitivos do desenvolvimento e se concentraram no desenvolvimento do apego e na alavancagem das habilidades dos bebês por curiosidade e prazer.

A intervenção foi aplicada a dois grupos de meninos e meninas com diagnóstico de autismo – bebês de um a dois anos e crianças de dois a três anos. Seu comportamento foi dividido em quatro grupos: envolvimento emocional, brincadeira, comunicação e funcionamento. Cada cluster incluiu vários componentes comportamentais, medidos antes e depois do tratamento, e comparados entre os dois grupos de idade.

Ambos os grupos mostraram progresso em todos os componentes do desenvolvimento, no entanto, o grupo mais jovem apresentou melhora estatística significativamente distinta em comparação com o grupo mais velho.

Este estudo, também realizado ao longo de uma década, confirma a capacidade dos bebês de melhorarem em um curto período de tempo, devido à dinâmica de crescimento neuronal no cérebro, que forma uma rede de células nervosas que controla os controles motores, sensoriais, emocionais e cognitivos. funções.

Os resultados dos dois estudos clínicos concluem que a redução do período de tempo entre a detecção precoce e a intervenção terapêutica precoce pode reduzir significativamente a gravidade do desvio de desenvolvimento ao longo da vida.

Além disso, outros estudos indicam que um estado de constante preocupação ou ansiedade dos pais leva a família a uma espécie de círculo vicioso que tem um efeito significativo no desenvolvimento do bebê. A intervenção precoce pode aliviar a ansiedade e dar aos pais as ferramentas adequadas para lidar com a situação, por um lado, e promover o desenvolvimento de seus filhos, por outro.

“Décadas de pesquisa neural, cognitiva e comportamental afirmam que o cérebro humano passa por seu desenvolvimento mais substancial e máximo nos primeiros anos pós-natal.

“Esses dois estudos confirmam que há uma janela de oportunidade e faz todo o sentido que a detecção e intervenção precoces afetarão os componentes do desenvolvimento neuroanatômico em um estágio que é mais influente para o cérebro em rápido desenvolvimento, mesmo na medida em que a manifestação completa de autismo pode ser evitado de escalada. Portanto, preencher a lacuna entre a detecção precoce, avaliação e intervenção é crucial para o futuro de qualquer criança em risco ”, conclui a Dra. Hanna A. Alonim, que liderou os estudos.

Fonte: Bar-Ilan University

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.