Acabou. O 11º surto de Ebola também foi derrotado no Congo. A notícia foi dada pelo ministro da Saúde, Eteni Longondo, que anunciou o fim da epidemia de Ebola, quase seis meses após o registro dos primeiros casos e em meio ao surgimento do COVID-19 no país centro-africano.

É a primeira vez que o Congo está livre do Ebola em cerca de dois anos e meio. O ministro da saúde do Congo, Dr. Eteni Longondo, juntamente com a Organização Mundial da Saúde deram uma entrevista coletiva através das redes sociais, explicando que não houve novos casos por 48 dias.

Desde o início, o surto registrou mais de 55 mortes, 119 casos confirmados e 75 pessoas curadas até 1º de junho, segundo a OMS e o Ministério da Saúde do Congo. O surto no oeste do Congo ocorreu pouco antes do fim oficial, em 25 de junho, do segundo surto de ebola mais mortal da história, que matou 2.280 pessoas em quase dois anos, no leste do país. As duas cepas não estavam relacionadas, disseram as autoridades.

“Esta décima primeira epidemia do vírus Ébola teve a particularidade de se alastrar muito mais nas áreas sanitárias de rios e lagos”, afirmou o Ministro da Saúde durante a conferência de imprensa. “Isso representou um grande desafio logístico em termos de implementação de atividades de resposta em um sistema de saúde já enfraquecido por epidemias anteriores e fraco envolvimento da comunidade”.

As autoridades de saúde, no entanto, foram capazes de vacinar mais de 40.000 pessoas. Longondo exortou a população a permanecer vigilante e seguir as medidas de higiene

“Para evitar o ressurgimento do ebola, mas também para prevenir a propagação do coronavírus que assola o país”.

A OMS elogiou a resposta a este surto, argumentando que a superação de um dos patógenos mais perigosos do mundo em comunidades remotas e de difícil acesso

“Mostra o que é possível quando ciência e solidariedade se unem”, disse Matshidiso Moeti, chefe da OMS para a África. “Lidar com o Ebola em paralelo com COVID-19 não foi fácil, mas grande parte da experiência que construímos em uma doença pode ser transferida para outra e destaca a importância de investir na preparação para emergências e na capacitação local. “

Cruz Vermelha: “Não baixe a guarda”

Esta é uma conquista que é um bom presságio, mas de acordo com a Cruz Vermelha, devemos também continuar a prestar atenção aos muitos desafios humanitários que o país está enfrentando, incluindo a emergência COVID-19 em curso, juntamente com problemas econômicos e de segurança.

Jacques Katshishi, Secretário-Geral da Cruz Vermelha do Congo, explicou que o país deve continuar a receber apoio da comunidade internacional:

“Levar o ebola a zero é uma grande conquista, mas agora enfrentamos nosso próximo desafio: mantê-lo assim. Nossas equipes na Cruz Vermelha da RDC estão lidando com o COVID-19 em um ambiente humanitário e de segurança complexo. Este não é o momento de ser complacente: o mundo não pode permitir um ressurgimento do ebola na República Democrática do Congo. “

Fontes de referência: GreenMe / AP , Twitter / OMS

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.