O coronavírus é transportado por partículas atmosféricas. É o que afirma um novo estudo realizado pela Sima, a Sociedade Italiana de Medicina Ambiental, em colaboração com pesquisadores da Universidade de Bari, Bolonha e Trieste e da Universidade de Nápoles Federico II.

Em todo o mundo, os cientistas estão avaliando a possível ligação entre poluição e coronavírus . Vários aspectos foram examinados, mas agora a Sociedade Italiana de Medicina Ambiental (Sima) afirma que o coronavírus está presente no material particulado (MP).

“Este primeiro teste abre a possibilidade de testar a presença do vírus no material particulado atmosférico de nossas cidades nos próximos meses como um indicador para detectar a recorrência precoce do coronavírus e tomar medidas preventivas adequadas antes do início de uma nova epidemia”, disse o professor. Leonardo Setti, coordenador do grupo de pesquisa científica, juntamente com o professor Gianluigi De Gennaro e o professor Miani.

Há cerca de um mês, a mesma equipe de pesquisadores publicou um Documento de Posição sobre a possível relação entre a poluição das partículas do ar e a propagação da epidemia de Covid-19.

No estudo, eles destacaram uma

“Relação entre excedentes dos limites legais de concentração de PM10 registrados no período de 10 de fevereiro a 29 de fevereiro e o número de casos infectados com COVID-19 atualizados para 3 de março”.

E agora a confirmação parece ter chegado:

“A primeira parte da pesquisa teve como objetivo específico procurar a presença de RNA SARS-CoV-2 em partículas atmosféricas. A primeira evidência relacionada à presença de coronavírus nos particulados vem de análises realizadas em amostras das 34 PM10 no ar ambiente de locais industriais na província de Bergamo, coletadas com dois amostradores de ar diferentes por um período contínuo de 3 semanas, de 21 de fevereiro a 13 de março”, continua o prof. Setti.

Nas amostras analisadas pela Universidade de Trieste, a presença do vírus foi observada em pelo menos 8 dos 22 dias examinados. Resultados positivos foram confirmados em 12 amostras diferentes para todos os três marcadores moleculares, a saber, o gene E, o gene N e o gene RdRP, este último altamente específico para a presença do RNA viral SARS-CoV-2.

“Podemos confirmar que demonstramos razoavelmente a presença de RNA viral do SARS-CoV-2 em partículas atmosféricas , detectando a presença de genes altamente específicos, usados ​​como marcadores moleculares do vírus, em duas análises genéticas paralelas” 4, conclui o coordenador.

Segundo a equipe de pesquisa, esta é a primeira evidência de que o RNA SARS-CoV-2 pode estar presente em partículas, sugerindo que

“Em condições de estabilidade atmosférica e altas concentrações de MP, as micro-gotículas infectadas que contêm o coronavírus SARS-CoV-2 podem se estabilizar nas partículas para criar aglomerados com material particulado, aumentando a persistência do vírus na atmosfera, como já assumido com base em pesquisa internacional recente. A detecção do vírus na poeira também pode ser um bom marcador para verificar sua disseminação em ambientes internos, como hospitais, escritórios e instalações abertas ao público “.

Para os cientistas, isso não significa que a presença de coronavírus em partículas possa certamente ser uma “terceira via” de contágio. Permanece o fato de que a presença comprovada da covid-19 em partículas finas pode ser uma informação valiosa em vista da Fase 2.

“Se todos nós usamos máscaras, a distância interpessoal de 2 metros deve ser considerada razoavelmente protetora, permitindo que as pessoas voltem a uma vida social”, concluiu Miani.

#CORONAVIRUS: TROVATO #RNA SARS-COV2 SUL PARTICOLATOStudio condotto da #SIMA con i Ricercatori #UNIBO, #UNIBA, #UNITS e…

Posted by SIMA – Medicina Ambientale on Friday, April 24, 2020

Fontes: Dire, Adnkronos, GreenMe

COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.