Uma nova pesquisa do King’s College London descobriu que o estresse materno antes e durante a gravidez pode afetar o desenvolvimento cerebral do bebê.

Em seu estudo publicado na revista Biological Psychiatry, a pesquisadora MRC de imagem e saúde perinatal, Alexandra Lautarescu e a chefe de neuroimagem avançada, professora Serena Counsell, analisaram pela primeira vez a relação entre estresse materno e desenvolvimento cerebral em 251 bebês prematuros.

Elas encontraram evidências de comprometimento do desenvolvimento do trato da substância branca, o fascículo uncinado, em bebês cujas mães sofreram mais estresse no período pré-natal.

As mães preencheram um questionário que lhes perguntou sobre suas experiências de eventos estressantes, que variavam do estresse diário, como mudança de casa ou realização de um exame a estressores mais graves, como sofrer luto, separação ou divórcio. Um escore de gravidade do estresse foi calculado com base em quantos estressores sofreram e em quão severos foram esses estressores. Isso é o que estava relacionado ao cérebro do bebê.

Os pesquisadores usaram uma técnica de imagem médica chamada imagem por tensor de difusão, desenvolvida especificamente para examinar a estrutura da substância branca. O trato da substância branca já havia sido implicado em transtornos de ansiedade – os adultos que têm um distúrbio de ansiedade podem mostrar alterações nesse trato.

“Descobrimos que nas mães que estavam mais estressadas durante a gravidez e no período anterior ao nascimento, a substância branca estava alterada nos bebês”, disse a pesquisadora Alexandra Lautarescu, do King’s College London.

Os cientistas dizem que o estudo destaca a importância de fornecer apoio às futuras mães, pois estudos anteriores mostraram que intervenções como terapia cognitivo-comportamental podem ajudar a mitigar resultados adversos no bebê.

Os médicos têm um papel importante a desempenhar quando falam com mulheres grávidas. Embora sejam feitas perguntas sobre sintomas depressivos, poucas são feitas sobre estresse e ansiedade gerais. As mulheres que lidam com eventos estressantes da vida durante a gravidez não são atendidas pelos médicos de família ou pelos profissionais de saúde com muita frequência.

“Não é diagnosticado com a frequência que deveria ser durante a gravidez e estamos tentando enfatizar que a saúde mental materna durante a gravidez pode afetar o desenvolvimento do cérebro do bebê, o que pode afetar seus resultados mais tarde na vida”, disse Alexandra Lautarescu. “Ninguém está perguntando a essas mulheres sobre estresse e, portanto, elas não recebem nenhum apoio.

“Os serviços pré-natais precisam estar cientes de que é importante pensar sobre o estresse das mães e precisamos ter algum tipo de apoio lá para as mães que identificam que estão estressadas. Se tentarmos ajudar essas mulheres durante a gravidez ou no período pós-natal precoce com algum tipo de intervenção, isso não só ajudará a mãe, mas também poderá impedir o desenvolvimento cerebral prejudicado no bebê e melhorar seus resultados em geral. ”

Existem evidências que sugerem que, se as mães experimentam problemas de saúde mental durante a gravidez, isso leva a resultados adversos no bebê – resultados obstétricos, menor peso ao nascer ou nascimento prematuro. A má saúde mental da mãe também pode levar a comportamentos precoces alterados, como choro mais frequente.

Mais estudos são necessários para entender se as alterações observadas no desenvolvimento cerebral desses bebês levarão a resultados adversos mais tarde na vida.


Fonte:
King’s College London
Fonte da imagem: A imagem é creditada a Alexandra Lautarescu et al.
Pesquisa original: “Maternal Prenatal Stress Is Associated With Altered Uncinate Fasciculus Microstructure in Premature Neonates”.

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.