Por toda a história humana, os bebês nasceram onde suas mães viviam – seja em uma casa, cabana ou caverna. Somente no último século o nascimento mudou-se para fora da casa e para o hospital. Como isso mudou os tipos de micróbios que vivem em nossos corpos – coletivamente conhecidos como o microbioma – que sabemos serem vitais para a saúde humana?

Para descobrir, um grupo de pesquisadores da Universidade de Nova York, da Universidade da Califórnia em São Francisco e da Sejong University em Seul, Coréia do Sul, comparou diferentes tipos de bactérias fecais de bebês nascidos em casa a bebês nascidos no hospital.

Os resultados sugerem que os nascimentos hospitalares podem alterar o microbioma intestinal de recém-nascidos , talvez colocando esses bebês em maior risco de certos distúrbios imunológicos ou metabólicos.

Primeira herança dos bebês

Na última década, os pesquisadores descobriram muitas maneiras pelas quais nossa saúde depende dos trilhões de bactérias e outros micro-organismos que residem em nossos corpos. A exposição a bactérias vaginais no nascimento inicia um importante processo de colonização no recém-nascido.

No início, as colônias bacterianas em diferentes partes dos corpos dos bebês são semelhantes e tendem a combinar com suas mães. Com o tempo, diferentes habitats corporais, como a pele, a boca e o intestino, desenvolvem suas próprias comunidades microbianas distintas.

O microbioma intestinal do bebê desempenha um papel fundamental no início da função imunológica e metabólica. É por isso que eles queriam investigar como os fatores hospitalares podem moldar o microbioma intestinal inicial.

Compararam então fezes de bebês saudáveis, amamentados, que nasceram por via vaginal em casa com a de bebês semelhantes nascidos no hospital. Assim determinaram quais micróbios tinham maior probabilidade de florescer em quais bebês durante o primeiro mês de vida.

Assim obtiveram esse resultado: Bebês nascidos em casa eram mais propensos a serem colonizados com micróbios “benéficos” , os tipos associados com funcionamento normal imunológico, metabólico e digestivo. Os bebês nascidos no hospital eram mais propensos a serem colonizados com micróbios associados a intervenções como cesariana, tratamento com antibióticos e alimentação com fórmula, mesmo que nenhuma dessas coisas tenham acontecido com os bebês no estudo.

Os pesquisadores queriam ver se essas diferenças no microbioma faziam as células epiteliais – que revestem o cólon – se comportarem de maneira diferente.

Então expuseram essas células epiteliais ao material fecal – que contém uma amostra do microbioma do bebê. Descobriram que as células expostas ao material de bebês nascidos no hospital eram mais propensos a mostrar uma resposta inflamatória quando o bebê tinha um mês de idade. Embora a inflamação seja um importante mecanismo de defesa, a inflamação crônica no nível celular também pode contribuir para doenças inflamatórias mais tarde na vida.

Para ser claro, observaram isso apenas no laboratório, não em um bebê vivo, por isso não puderam especular sobre o significado desse achado para a saúde a longo prazo e o bem-estar dos bebês.

Nascimento não perturbado

Pesquisas sugerem que os bebês se beneficiam da exposição não perturbada às bactérias de suas mães, incluindo bactérias fecais e vaginais no nascimento, depois da exposição contínua ao leite materno e às bactérias da pele durante a amamentação durante o primeiro ano.

Interrupções na transmissão precoce de mãe para bebê estão associadas a mudanças no microbioma infantil que, por sua vez, foram associadas a problemas de saúde mais tarde na vida. Assim, apoiar um processo de nascimento não perturbado faz sentido.

Mas o nascimento não perturbado nem sempre é possível. As complicações surgem e as intervenções que alteram o microbioma – como antibióticos ou cesariana – podem salvar a mãe ou o bebê de emergências que ameaçam a vida. Essas intervenções podem afetar o microbioma do bebê, mas ninguém recomendaria qualquer outro tratamento.

Entretanto, o que dizer das intervenções realizadas sem necessidade médica? Por exemplo, um em cada três bebês nos EUA é entregue por cesariana. (no Brasil esse percentual chega a 57%)  Isso é aproximadamente o dobro da taxa esperada se fosse respondida apenas às necessidades médicas. As mulheres nos EUA freqüentemente experimentam muitas intervenções durante o parto . Demasiada intervenção usada cedo demais não ajuda, e em muitos casos pode prejudicar, mães, bebês e seus microbiomas .

As mães dos bebês no estudo não experimentaram intervenções evidentes no nascimento. Todas as mães que tiveram antibióticos, parto cesáreo ou parto com água foram deixadas de fora. Isso significa que o estudo foi pequeno, apenas 10 bebês no hospital e 10 bebês em casa.

No entanto, um grande estudo com mais de 1.000 bebês chegou à mesma conclusão: bebês amamentados a termo, nascidos a termo, em casa, tinham os microbiomas mais “benéficos”. Ou seja, eles foram colonizados por micróbios que foram associados à saúde e desenvolvimento normais . Mais pesquisas são necessárias para entender as implicações, mas pensar em um parto hospitalar típico pode sugerir áreas para estudo adicional.

Nascimento no hospital: Demasiado limpo?

Uma razão pela qual os partos hospitalares diferem daqueles em casa é que os hospitais priorizam a limpeza. A lavagem das mãos, a limpeza bactericida e a limpeza frequente limitam a propagação de germes. Quando o bebê se aproxima do parto, um lençol estéril pode ser colocado embaixo da mulher e às vezes sobre as pernas e abdômen para criar um “campo estéril” ao redor do bebê.

Em alguns hospitais, um sabonete bactericida pode ser usado para lavar a vagina antes do parto, destruindo quase todas as bactérias. Essa prática reflete o quão pouco valorizamos o robusto habitat microbiano da vagina da mãe, que, curiosamente, muda durante a gravidez para promover uma abundância de flora saudável. Também pode haver exames vaginais frequentes realizados durante o trabalho de parto que transportam pequenas quantidades de lubrificante antisséptico para a vagina.

Após o nascimento, o bebê pode ser levado para um aquecedor semi-estéril, em vez de ter contato com a pele da mãe. A pomada antibiótica é geralmente aplicada aos olhos do bebê. Um banho de corpo inteiro para “limpar” o bebê também é comum, constituindo outra fonte potencial de danos às colônias microbianas no corpo do recém-nascido.

Mas mesmo para os bebês que “dormem”, o contato com o mundo exterior é limitado em comparação com a casa onde um bebê pode ser lambido pelo cachorro da família ou passado para uma variedade de visitantes. A “hipótese da higiene” sugere que nós, como seres humanos, precisamos de exposição precoce e frequente a diversos organismos . Nós tendemos a restringir isso nos primeiros dias de vida no hospital. Essa é a abordagem correta?

Quando começamos a valorizar o poder da primeira herança dos bebês – as bactérias de suas mães – podemos ter uma visão diferente do que é realmente a “melhor prática”.


Fonte: The Conversation / Senado Notícias

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.