O problema de cálculo renal tem atormentado a humanidade desde os tempos antigos. Os cálculos renais foram identificados em múmias egípcias. O juramento de Hipócrates descreve seu tratamento: “Não usarei a faca, nem mesmo de verdade, em sofredores de pedra, mas darei lugar a quantos artífices nela estiverem”.

Quem tem pedras nos rins e por quê?

Estima-se que entre 6% e 10% da população mundial sofra com esse problema. Apenas no Brasil, são cerca de 20 milhões de pessoas, um percentual considerado alto pelo diretor científico da Sociedade Brasileira de Urologia – Regional Minas Gerais, cirurgião do Serviço de Transplante Renal do Hospital Universitário da Faculdade de Ciências Médicas, Bernardo Pace.

Crises – Geralmente as pessoas descobrem que têm cálculo renal quando são acometidas de episódios de dor intensa acompanhadas muitas vezes com um mal estar que inclui enjoo e vômito. A dor acontece quando o cálculo se desloca e obstrui o transito da urina entre o rim e a bexiga. Geralmente o cálculo fica alojado no ureter – que é o canal que liga o rim à bexiga – e causa uma distensão no rim. Isso gera todo o processo de dor. Passados alguns dias ou semanas, se nada for feito, essa obstrução gera lesões irreversíveis ao rim.

Sem o devido tratamento, coloca em risco o funcionamento dos dois filtros do organismo humano e parece que o aquecimento global pode aumentar esse risco. (À medida que o tempo esquenta, os seres humanos ficam mais propensos a ficar desidratados, o que aumenta o risco de formação de pedra). Existem quatro tipos principais de cálculos renais: oxalato de cálcio / fosfato de cálcio, ácido úrico, estruvita (fosfato de magnésio e amônio) e cistina.

Um fator de risco para todas as pedras, independentemente do tipo, é a desidratação. Qualquer um que esteja propenso a pedras nos rins deve prestar atenção a uma boa hidratação. Um estudo randomizado mostrou que beber 2 litros de líquido por dia reduz a probabilidade de recorrência da pedra em cerca de metade. A diretriz da Associação Americana de Urologia para o tratamento médico de cálculos renais recomenda que pacientes com cálculos renais tenham por objetivo beber mais de 2,5 litros de líquidos por dia.

Qualquer pessoa com sintomas de cálculos renais deve ser encaminhada a um urologista. A avaliação inicial geralmente incluirá exames de sangue, urina e exames de imagem. As decisões sobre o teste e, finalmente, o tratamento, devem ser tomadas conjuntamente pelo médico e pelo paciente. Vejamos fatores de risco específicos e tratamento para cada um dos principais tipos de rochas.

Pedras de oxalato de cálcio e fosfato de cálcio

As pedras de cálcio são o tipo mais comum de pedras nos rins e podem ser oxalato de cálcio ou fosfato de cálcio. Como mencionado, a boa hidratação é importante para evitar cálculos de cálcio.

Pode ser surpreendente, mas os resultados de um ensaio clínico randomizado mostram que as pessoas com cálculos renais de cálcio não devem ser cortadas em cálcio na dieta. De fato, elas devem consumir a dose diária recomendada de cálcio (1.000 mg / dia para mulheres com menos de 50 anos e homens com menos de 70 anos, e 1.200 mg / dia para mulheres acima de 50 anos e homens acima de 70 anos).

Por quê? O cálcio se liga ao oxalato no intestino e impede sua absorção pelo intestino, portanto, há menos na urina para formar pedras. Idealmente, o cálcio deve vir da comida. Converse com seu médico antes de tomar suplementos de cálcio, e aumentar a ingestão de líquidos pode ser benéfico dependendo de quanto cálcio você toma.

Alimentos ricos em oxalatos (nozes, espinafre, batata, chá e chocolate) podem aumentar a quantidade de oxalato na urina. Consumir estes com moderação.

Os cálculos de fosfato de cálcio são menos comuns que os cálculos de oxalato de cálcio. As causas incluem hiperparatireoidismo (quando o corpo produz muito hormônio da paratireoide), acidose tubular renal (uma condição renal que provoca acúmulo de ácido no corpo) e infecções do trato urinário. É importante entender se uma dessas condições está por trás da formação de cálculos de fosfato de cálcio.

Uma boa hidratação pode ajudar a prevenir a recorrência de cálculos de cálcio. Além disso, os diuréticos tiazídicos, como a hidroclorotiazida, podem ajudar o rim a absorver mais cálcio, deixando menos na urina, onde pode formar pedras. O citrato de potássio é outro medicamento que pode se ligar ao cálcio e ajudar a impedir que o oxalato de cálcio e o fosfato de cálcio na urina se transformem em pedras.

Pedras de ácido úrico

A maioria dos pacientes com cálculos de ácido úrico não tem muito ácido úrico. Em vez disso, a urina é muito ácida. Quando isso acontece, os níveis normais de ácido úrico se dissolvem na urina, onde podem se cristalizar em pedras. Ajustar o pH da urina, mais comumente com medicamento citrato de potássio, reduz o risco de formação de cálculos de ácido úrico e também pode ajudar a dissolver pedras existentes.

O bicarbonato de sódio também pode ser usado para alcalinizar a urina. Algumas pessoas com cálculos de ácido úrico produzem quantidades elevadas de ácido úrico. Para esses pacientes, comer menos proteína animal pode ajudar, assim como uma droga chamada alopurinol.

Pedras de estruvita

Os cálculos de estruvita são compostos de fosfato de magnésio e amônio, e formam-se em urina alcalina. A causa mais comum de cálculos renais é uma infecção bacteriana que eleva o pH da urina para neutro ou alcalino. O ácido aceto-hidroxâmico (AHA) pode reduzir o pH da urina e os níveis de amônia e ajudar a dissolver as pedras.

Pedras de cistina (o tipo menos comum)
Cistinúria é uma condição genética. Isso resulta em altos níveis de cistina (um aminoácido) na urina, que então se forma em cálculos renais. A maioria das pedras de cistina pode ser administrada aumentando a hidratação e medicamentos que alteram o pH da urina. Se isso não for suficiente para controlar as pedras, outra medicação pode ser adicionada.

A linha de fundo
Todos os pacientes com cálculos renais devem lembrar a frase: “A diluição é a solução para a contaminação”. Uma boa hidratação é uma terapia segura e útil para todos os formadores de pedras. Dito isso, é importante ter uma discussão aprofundada com um urologista sobre a abordagem correta da avaliação, tratamento e estratégias para evitar a formação de novas pedras.


Referências:

http://www.portalmedicinaesaude.com.br/calculo-renal-acomete-20-milhoes-de-
brasileiros.html

https://www.fcav.unesp.br/Home/departamentos/clinicacv/AULUSCAVALIERICARCIOFI/
calculos-e-dtuif-aula-reduzida.pdf

Climate-related increase in the prevalence of urolithiasis in the United 
States. Proceedings of the National Academy of Sciences, July 2008.

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.