Por milhares de anos, culturas e religiões em todo o mundo recorreram a várias formas de “terapias” criativas para aliviar o estresse e lidar com emoções difíceis. Uma dessas formas é a arte-terapia.

Abordagens mais formais da arteterapia (AT) existem desde os anos 1940. AT foi originalmente desenvolvida para “ajudar os clientes a explorar seus pensamentos, sentimentos e experiências íntimos por meio da expressão criativa”.

Hoje, essa abordagem costuma ser combinada com a psicoterapia para ajudar as pessoas a lidar com doenças, estresse e emoções que podem ser difíceis de discutir.

Quais são os benefícios da arte-terapia? Pesquisas conduzidas nas últimas décadas indicam que a arteterapia pode ser uma forma eficaz de ajudar a tratar uma ampla gama de problemas de saúde mental e física – desde vícios e depressão a distúrbios alimentares e demência .

O que é Arteterapia?

A arteterapia pode ser definida como a aplicação das artes visuais em um contexto terapêutico. Esse tipo de técnica terapêutica pode ser utilizada ao trabalhar com um terapeuta ou treinador, bem como algo que pode ser praticado sozinho em casa ou em uma aula em grupo.

Quais são os diferentes tipos de arteterapia? Os tipos de arte-terapia incluem:

• Pintura – Journaling – desenhar – colagens – esculpir com argila – mosaicos – terapia musical e outros

Existem inúmeras maneiras de praticar, mas o mais importante é que seja confortável e inspirador.

De acordo com a American Art Therapy Association, a AT é baseada na crença de que “o processo criativo envolvido na autoexpressão artística ajuda as pessoas a resolver conflitos e problemas, desenvolver habilidades interpessoais, gerenciar comportamentos, reduzir o estresse, aumentar a autoestima, a auto-estima conscientização e obter uma visão. ” Desse modo, a arteterapia pode ser considerada uma forma de terapia psicodinâmica , que se concentra nos processos inconscientes conforme eles se manifestam nos comportamentos atuais de uma pessoa.

Como explica um artigo da GoodTherapy , houve um grupo de escritores influentes na década de 1940 – incluindo Margaret Naumburg, considerada a fundadora da AT – que fez contribuições significativas para o desenvolvimento da arte-terapia como um campo reconhecido nos Estados Unidos e na Europa. Os pioneiros da AT acreditavam que as práticas criativas serviam como uma forma de expressar pensamentos e emoções reprimidos e inconscientes.

No século 20, a Arteterapia tornou-se uma técnica que exigia certificação, treinamento e, às vezes, licenciamento (dependendo da localização). Hoje, é utilizada em muitos ambientes diferentes, incluindo:

• instalações de saúde mental
• hospitais
• escolas
• abrigos
• asilo
• centros de reabilitação

Benefícios / Usos

Quais são os principais usos da arteterapia? AT é usada com crianças, adolescentes, adultos, adultos idosos, grupos, famílias, veteranos e pessoas com problemas crônicos de saúde.

Quer seja praticada com a ajuda de um terapeuta de arte profissional (muitas vezes como um complemento aos tratamentos tradicionais de saúde mental), feita em casa sozinha ou explorada em um ambiente de grupo, a arteterapia pode ajudar as pessoas a lidar com doenças, incluindo: depressão, ansiedade, DSPT, fobias, dor crônica, vícios, transtornos de atenção, dor e perda, demência, distúrbios alimentares, esquizofrenia e outros. 

Alguns dos muitos benefícios da arteterapia apoiados por pesquisas recentes:

1 – Ajuda a aliviar o estresse

Estudos sugerem que a Arteteapia pode ajudar as pessoas a lidar com o estresse crônico , a depressão e a ansiedade, ajudando-as a processar e expressar seus sentimentos, incluindo aqueles que foram “enterrados” e ignorados. Ser criativo também pode aumentar a auto-estima, um senso de controle e autorrealização e ajudar as pessoas a terem perspectivas positivas de suas experiências de vida.

Outra maneira pela qual o AT pode ajudar as pessoas a lidar com o estresse é elevando seu humor, graças ao aumento da liberação de dopamina no cérebro, uma substância química que é gratificante. A dopamina está associada a sentimentos como excitação e felicidade e tende a ser liberada quando estamos envolvidos em algo agradável e que chama a atenção.

2 – Serve como uma saída criativa não verbal

Praticar arte pode atuar como uma liberação emocional e uma saída saudável para se expressar, especialmente se a pessoa normalmente acha difícil vocalizar como está lutando.

As pessoas relatam serem mais capazes de se livrar do ressentimento, da frustração, da raiva, das preocupações e de outras emoções quando se envolvem em algo criativo que prende sua atenção e lhes dá perspectiva.

Como a arteterapia funciona para ajudar as pessoas a lidar com traumas? Os arteterapeutas freqüentemente encorajam os pacientes a usar expressões artísticas de “forma livre” para obter uma visão sobre seus sentimentos e expressar emoções que não podem ser ditas com palavras.

Estudos sugerem que a arteterapia pode ser especialmente útil para pessoas que lidam com sintomas de DSPT, porque fornece uma saída criativa e não-verbal que melhora o processamento de sentimentos complexos. Pode ser ainda mais impactante quando combinado com terapia cognitivo-comportamental ou outras abordagens, se apropriado.

Entre pessoas com história de trauma, a AT tem demonstrado ajudar a melhorar o humor e as habilidades de enfrentamento, promover relaxamento, promover relacionamentos mais saudáveis ​​e diminuir comportamentos e atitudes perturbadoras.

3 – Aumenta a atenção plena

Fazer algo criativo e encontrar maneiras de se expressar artisticamente dá a você a chance de desacelerar, dar uma pausa à sua mente e praticar a atenção plena , ou presença / consciência.

Os esforços artísticos podem ser uma ótima maneira de entrar em um “estado de fluxo” em que você está completamente sintonizado com o que está fazendo, usando todos os seus sentidos e prestando atenção em como seu corpo se sente no momento, em vez de ser pego em seus pensamentos.

4 – Oferece suporte quando praticado em um grupo

Quando a arte é feita em grupo, pode ser uma excelente maneira de construir conexões saudáveis ​​com outras pessoas e obter apoio. Esta abordagem tem mostrado ajudar pessoas que lidam com depressão, idosos, crianças em idade escolar e veteranos.

Não só pode ajudar a combater a depressão e a solidão , mas também demonstrou aumentar a empatia e a aceitação dos outros.

5 – Desenvolve habilidades motoras finas

AT é usado por alguns terapeutas ocupacionais para ajudar a desenvolver as funções cognitivas e sensório-motoras de seus pacientes, coordenação olho-mão, habilidades motoras finas e grossas e destreza e velocidade dos dedos.

Entre os idosos, também demonstrou ajudar a estimular a função mental e oferecer proteção contra o declínio cognitivo / demência. Além disso, há evidências de que pode ajudar a reduzir a perda de coordenação e problemas relacionados ao humor, como depressão em pacientes com Parkinson.

6. Pode ajudar a melhorar a recuperação e a dor

A American Cancer Society (ACS) considera a arteterapia uma medicina complementar e alternativa que pode ajudar as pessoas a se recuperar de doenças graves, incluindo câncer, doenças cardíacas, dores crônicas e problemas comportamentais.

De acordo com a ACS, alguns dos usos potenciais de AT incluem:

• reduzir os níveis de ansiedade entre os sobreviventes do câncer
• melhora os tempos de recuperação
• diminuição nas internações hospitalares
• melhorar a comunicação e função social
e oferecendo controle natural da dor

Estudos descobriram que os pacientes em diálise que participam de sessões de TA normalmente experimentam níveis mais baixos de estresse, menos fadiga da compaixão e um maior senso de propósito. Outros estudos demonstraram que pacientes com câncer que praticam TA geralmente se beneficiam de emoções mais positivas; menos ansiedade, depressão e problemas relacionados ao sono; e mais auto-estima e confiança aumentadas.

Técnicas e exercícios

O que um arteterapeuta faz exatamente? A maioria dos terapeutas combina atividades criativas – como pintura, desenho, escultura, colagem, etc. – com técnicas psicológicas clínicas e, às vezes, práticas espirituais.

O terapeuta pode pedir ao paciente para se concentrar na cor, no arranjo espacial, na composição ou em uma série de outros aspectos relacionados a um projeto criativo. O paciente pode ou não ser solicitado a expressar verbalmente seus sentimentos ou pensamentos enquanto se engaja em um trabalho criativo.

Em alguns casos, familiares, cônjuges ou outros entes queridos podem se envolver na sessão. Em última análise, isso depende do terapeuta e do cliente específicos, bem como dos objetivos da sessão.

Não importa quais tipos de técnicas / exercícios são utilizados, o objetivo é que o cliente seja expressivo e perspicaz, focando em sua experiência interior ao invés de tentar produzir algo tangível que seja impressionante. Não há necessidade de ser “bom” em arte porque o objetivo é aproveitar o processo, em vez de se fixar no produto acabado ou no resultado.

Adaptado de Dr.axe

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.