A descoberta de uma nova variante com um grande número de mutações levanta preocupações sobre as transmissões do COVID-19, desencadeando restrições de viagens.

Uma nova variante do COVID-19 detectada na África do Sul com um alto número de mutações levantou preocupações entre os cientistas e gerou restrições de viagens em vários países em meio ao temor de transmissão do coronavírus.

O Instituto Nacional de Doenças Transmissíveis (NICD) disse que 22 casos positivos da nova variante foram registrados no país após o sequenciamento genômico. A notícia do anúncio foi divulgada na quinta-feira.

O Ministro da Saúde da África do Sul, Joe Phaahla, disse que a variante está por trás de um aumento “exponencial” nos casos relatados, tornando-a “uma grande ameaça”.

O que sabemos sobre a nova variante?

A nova variante COVID-19, chamada B.1.1.529, tem uma constelação muito incomum de mutações, que são preocupantes porque podem ajudá-la a escapar da resposta imunológica do corpo e torná-la mais transmissível, disseram os cientistas.

Cientistas sul-africanos detectaram mais de 30 mutações na proteína spike, a parte do vírus que ajuda a criar um ponto de entrada para o coronavírus infectar células humanas.

Tulio de Oliveira, diretor da Plataforma de Sequenciamento de Pesquisa e Inovação KwaZulu-Natal, disse que a variante confundiu os especialistas. “Tem um grande salto na evolução, muito mais mutações do que esperávamos”, disse Oliveira.

Em comparação, a variante Beta e Delta têm, respectivamente, três e duas mutações. Este último se originou na Índia e causou a segunda onda devastadora no ano passado.

“A única boa notícia é que pode ser detectado por um teste de PCR”, acrescentou Oliveira.

As mutações estão associadas ao aumento da resistência aos anticorpos, o que torna o vírus mais contagioso.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que está “monitorando de perto” a variante relatada e deve se reunir na sexta-feira para determinar se ela deve ser designada como uma variante de “interesse” ou “preocupação”.

As vacinas COVID-19 são eficazes contra a nova variante?

As vacinas COVID-19 são baseadas na proteína spike original do coronavírus, levantando preocupações de que a nova proteína spike dramaticamente diferente poderia tornar as vacinas menos eficazes.

Maria Van Kerkhove, chefe de Doenças Emergentes e Zoonoses da OMS, disse na quinta-feira que “a preocupação é que quando você tem tantas mutações, isso pode ter um impacto no comportamento do vírus”.

“Levará algumas semanas para entendermos o impacto que essa variante tem em quaisquer vacinas em potencial”, acrescentou Van Kerkhove.

Qualquer nova variante que seja capaz de escapar das vacinas ou se espalhar mais rápido do que a agora dominante variante Delta pode representar uma ameaça significativa quando o mundo sair da pandemia.

Mas a Professora Helen Rees, do Grupo Regional Africano de Aconselhamento sobre Imunização da OMS, exortou as pessoas a não entrarem em pânico.

“[Atualmente] estamos tentando identificar o quão amplamente difundido é isso. Haverá muito trabalho olhando: É mais transmissível? Está associado a mais gravidade da doença? Isso torna as vacinas menos eficazes? ” Rees disse à Al Jazeera.

“Nesse ínterim, nosso grande pedido ao mundo, em termos de vacinação na região africana, é que as vacinas sejam distribuídas na região porque, como sabemos, as variantes não ficam em um país”, acrescentou.

Detecção e resposta

A variante se espalhou rapidamente pela província de Gauteng, na África do Sul, onde fica o centro econômico de Joanesburgo e a capital Pretória.

Um total de cerca de 50 casos confirmados foram identificados na África do Sul, Hong Kong e Botswana. Os casos confirmados em Botswana e Hong Kong foram detectados entre viajantes da África do Sul.

Em resposta, a Grã-Bretanha proibiu todas as viagens do país e de cinco outras nações do sul da África, a saber, Botwsana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue a partir do meio-dia, horário local de sexta-feira.

Israel também anunciou na quinta-feira que estava impedindo seus cidadãos de viajar para a África do Sul. Também incluiu Lesoto, Botswana, Zimbábue, Moçambique, Namíbia e Eswatini em sua lista de viagens de maior risco.

Na sexta-feira, o Ministério da Saúde israelense disse que uma nova variante do coronavírus foi detectada em um viajante que voltou do Malaui.

A chefe da Comissão da UE, Ursula von der Leyen, também disse que a UE terá como objetivo interromper as viagens aéreas da região da África Austral.

“A Comissão irá propor, em estreita coordenação com os Estados Membros, ativar o freio de emergência para interromper as viagens aéreas da região da África Austral devido à variante de preocupação B.1.1.529”, disse ela em um tweet.

As taxas de infecção aumentaram?

O número de infecções diárias no país mais afetado da África aumentou 10 vezes desde o início do mês.

O NICD disse que o número de casos detectados e a porcentagem de testes positivos estão “aumentando rapidamente” em três das províncias do país, incluindo Gauteng.

O NICD não atribuiu o ressurgimento mais recente à nova variante, embora alguns cientistas suspeitem que pode ser a causa.

O número diário de infecções no país atingiu 1.200 na quarta-feira, ante 106 no início do mês.

Antes da detecção da nova variante, as autoridades previram uma quarta onda para atingir a África do Sul antes da temporada de festas, começando em meados de dezembro.

A África do Sul tem o maior número de pandemias na África, com aproximadamente 2,95 milhões de casos, dos quais 89.657 foram fatais.

No ano passado, a variante Beta do vírus surgiu pela primeira vez na África do Sul, embora até agora seus números de infecção tenham sido impulsionados pela Delta.

Aproximadamente 41% dos adultos receberam pelo menos uma dose, enquanto 35% estão totalmente vacinados. Esses números estão muito acima da média continental de 6,6% das pessoas vacinadas.

Informações do G1

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.