Há muito se entende que fatores ambientais e socioeconômicos – incluindo disparidade de renda, pobreza familiar e poluição do ar – aumentam o risco de uma pessoa desenvolver experiências psicóticas, como alucinações sutis e delírios que podem se tornar precursores de um diagnóstico de esquizofrenia mais tarde Em vida.

A pesquisa há muito se concentra em adultos jovens, mas agora, graças aos dados do Estudo de Desenvolvimento Cognitivo do Cérebro Adolescente (ABCD), pesquisadores da Universidade de Rochester descobriram que esses fatores de risco podem ser observados em crianças pré-adolescentes.

“Essas descobertas podem ter um grande impacto nas iniciativas de saúde pública para reduzir o risco de experiências psicóticas”, disse Abhishek Saxena, estudante de pós-graduação no departamento de psicologia da Universidade de Rochester e primeiro autor do estudo publicado recentemente na Frontiers in Psiquiatria .

“Pesquisas anteriores se concentraram amplamente nos fatores biológicos que levam ao desenvolvimento de transtornos do espectro da esquizofrenia, mas agora sabemos que fatores sociais e ambientais também podem desempenhar um grande papel no risco e no desenvolvimento da esquizofrenia. E esta pesquisa mostra que esses fatores afetam as pessoas desde muito jovens.”

Os pesquisadores analisaram os dados coletados de 8.000 crianças inscritas no estudo ABCD. Eles descobriram que quanto mais urbano o ambiente em que uma criança vivia – proximidade de estradas, casas com riscos de pintura com chumbo, famílias em situação de pobreza e disparidade de renda – maior o número de experiências psicóticas que tiveram ao longo de um ano.

Esses achados estão de acordo com pesquisas anteriores realizadas em adultos jovens, mas não foram encontrados assim em pré-adolescências.

“É desconcertante que a associação entre essas exposições e experiências psicóticas já estejam presentes no final da infância”, disse David Dodell-Feder, Ph.D., professor assistente de Psicologia e Neurociência e principal autor deste estudo.

“O fato de que o impacto dessas exposições pode ocorrer já na pré-adolescência destaca a importância da prevenção precoce.”

Pesquisa Original: “Explaining the Association Between Urbanicity and Psychotic-Like Experiences in Pre-Adolescence: The Indirect Effect of Urban Exposures” by Abhishek Saxena et al. Frontiers in Psychiatry

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.