Desde o início da pandemia de coronavírus , as taxas de internação e morte por COVID-19 têm sido significativamente mais altas em homens do que em mulheres.

Agora, uma nova pesquisa holandesa sugere um motivo: em comparação com as mulheres, os homens têm maiores concentrações de uma enzima no sangue que ajuda o novo coronavírus a infectar células humanas.

A enzima é chamada enzima conversora de angiotensina 2 (ACE2).

“O ACE2 é um receptor na superfície das células”, explicou o pesquisador principal, Dr. Adriaan Voors, professor de cardiologia no University Medical Center Groningen, na Holanda. Sua equipe publicou suas descobertas no dia 11 de maio no European Heart Journal.

O ACE2 “se liga ao coronavírus e permite que ele entre e infecte células saudáveis”, explicou Voors em um comunicado de imprensa da revista. “Altos níveis de ACE2 estão presentes nos pulmões e, portanto, acredita-se que ele desempenhe um papel crucial na progressão de distúrbios pulmonares relacionados ao COVID-19”.

Devido à importância do ACE2 na insuficiência cardíaca, a equipe holandesa já estava explorando o papel da enzima na saúde cardiovascular muito antes de o novo coronavírus aparecer em cena.

Em seu estudo, os pesquisadores acompanharam as concentrações de ACE2 no sangue de quase 1.500 homens e mais de 500 mulheres. Todos eram idosos tratados por insuficiência cardíaca em instituições médicas em 11 países europeus.

Em uma longa lista de possíveis fatores que podem influenciar as concentrações de ACE2 no sangue, o sexo masculino foi o fator mais forte, disseram os pesquisadores.

O estudo também pode ter implicações para as pessoas que estão tomando medicamentos cardíacos comuns.

Por causa de suas ligações com a ACE2, os médicos temem que medicamentos cardíacos comuns, como inibidores da ECA ou bloqueadores dos receptores da angiotensina (BRA), possam aumentar os riscos de pacientes que lutam contra o COVID-19. Mas o novo estudo não encontrou nenhuma ligação entre os níveis sanguíneos da ECA2 e o uso desses medicamentos.

Portanto, “nossas descobertas não apóiam a descontinuação desses medicamentos em pacientes com COVID-19, como sugerido em relatórios anteriores”, observou Voors.

Sua equipe enfatizou, no entanto, que eles apenas rastreavam os níveis de ACE2 no sangue líquido, não tecidos como tecido pulmonar, por isso ainda não podem fornecer uma resposta definitiva sobre se os inibidores da ECA ou os BRA são inofensivos em pessoas com COVID-19. Os pacientes estudados não tinham COVID-19 na época, acrescentaram os pesquisadores.

Quanto ao motivo pelo qual os níveis de ECA2 são mais altos nos homens do que nas mulheres, os autores do estudo disseram que a enzima é regulada nos homens nos testículos, o que poderia explicar suas concentrações mais altas nos homens.

Dois especialistas em coração dos EUA disseram que as descobertas têm mérito real.

Mais importante, “pacientes com insuficiência cardíaca devem consultar seu cardiologista antes de trocar qualquer medicamento, pois estão relacionados ao possível aumento no [risco de infecção por coronavírus]”, disse o cardiologista Dr. Satjit Bhusri. Ele pratica no Hospital Lenox Hill, em Nova York.

Dr. Geurys Rojas-Marte é especialista no tratamento de insuficiência cardíaca avançada no Hospital Universitário Staten Island, também na cidade de Nova York. Ele disse que “a ACE2 é uma enzima que ocorre normalmente no corpo e desempenha um papel importante na regulação da pressão sanguínea. A enzima é abundante nos pulmões, coração, rins e vasos sanguíneos. Também é liberada no plasma e é por isso que nós podemos medir isso “.

Rojas-Marte disse que, embora o grupo holandês tenha teorizado apenas que as concentrações de ACE2 no tecido pulmonar seriam semelhantes às observadas no sangue, sua teoria é “boa na minha opinião”. Ainda assim, são necessários mais estudos, disse ele.

Quanto aos prós e contras do uso de certos medicamentos para o coração enquanto circula o novo coronavírus, Rojas-Marte apontou para um estudo publicado recentemente no New England Journal of Medicine . Essa pesquisa envolveu “mais de 8.000 pacientes”, disse ele, e “não mostrou diferença na mortalidade em pacientes afetados pelo COVID-19 que anteriormente tomavam inibidores da ECA ou BRA”.

Fontes: European Heart Journal, WebMD

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.