Um tratamento experimental pode restaurar a fertilidade durante a menopausa precoce, afirma um pequeno novo estudo.

Normalmente, a menopausa elimina a capacidade da mulher de engravidar. Mas os pesquisadores relatam que a administração de plasma rico em plaquetas e hormônios, chamados gonadotrofinas, pode estimular a ovulação para possibilitar a gravidez .

“A descoberta mais surpreendente neste trabalho é o despertar da bela adormecida, a restauração da função ovulatória após a menopausa”, disse o pesquisador principal, Dr. Chao Chin Hsu, do departamento de obstetrícia e ginecologia do National Taiwan University Hospital em Taipei.

Quando as mulheres entram na menopausa, seus ovários perdem a função normal e há menos de 1.000 folículos ovarianos imaturos retidos. Esses folículos imaturos são geralmente resistentes à gonadotrofina ou outros estimulantes, disse ele.

Mais mulheres estão adiando a gravidez até que ela se torne problemática, e cerca de 12% das mulheres apresentam menopausa precoce, quando a função ovariana cessa antes dos 45 anos.

Essas mulheres geralmente precisam de óvulos de uma doadora para ter uma chance de engravidar, mas as técnicas que estimulam a função ovariana podem possibilitar que uma mulher engravide sem a ajuda de uma doadora.

Os pesquisadores acreditam que esses resultados preliminares podem um dia dar esperança às mulheres no início da menopausa de que possam engravidar por meio da fertilização in vitro com seus próprios óvulos.

Embora o plasma rico em plaquetas tenha sido testado em mulheres cujos ovários não estão funcionando, apenas algumas gestações e partos ocorreram.

Neste estudo piloto, entretanto, quando 12 ovários de mulheres foram injetados com plasma rico em plaquetas e gonadotrofinas, 11 começaram a menstruar novamente e uma ficou grávida.

“Este tratamento é outro cenário para mulheres no início da menopausa e aquelas com falência ovariana iminente de terem melhor oportunidade de conceber usando seus próprios óvulos”, disse Hsu.

“Nosso estudo mostrou recuperação do crescimento do folículo com níveis elevados do hormônio ovariano estradiol na maioria das mulheres na menopausa que receberam nosso tratamento, resultando em rejuvenescimento para as mulheres com menopausa precoce”, disse Hsu.

Além disso, os sintomas da menopausa precoce podem ser atenuados, disse ele. “Este tratamento também pode ajudar a prevenir a osteoporose e doenças cardiovasculares, ou mesmo a demência em mulheres na menopausa, mas isso precisa de estudos futuros para provar”, observou Hsu.

As descobertas foram publicadas online recentemente na revista Menopause .

A Dra. Jennifer Wu, obstetra e ginecologista do Hospital Lenox Hill, na cidade de Nova York, não fez parte da pesquisa, mas revisou as descobertas. Ela acha que o estudo incluiu muito poucas mulheres para tirar conclusões definitivas.

“A taxa de sucesso percentual de nascidos vivos não é conhecida, e é nisso que estamos realmente interessados”, disse Wu. “Não podemos extrapolar nada disso a partir desses números minúsculos, mas é muito interessante e talvez funcione para pacientes mais jovens que têm o que chamamos de reserva ovariana diminuída.”

Na reserva ovariana diminuída, os ovários perdem o potencial reprodutivo normal. A condição pode resultar de doença ou lesão, mas ocorre mais comumente como resultado do envelhecimento normal. Cerca de 10% a 30% das mulheres com infertilidade têm a doença e é um desafio tratá-la.

Wu não acredita que o tratamento usado no estudo beneficie mulheres na menopausa.

A maioria das pacientes mais velhas terá muita dificuldade para engravidar e, mesmo se engravidarem, muitas vezes terão uma gravidez anormal que não termina bem, disse ela.

“O problema de estimular a menstruação e os ovos é que os ovos podem estar lá, mas podem não ser normais nessa idade”, disse Wu. “Mesmo que você consiga engravidar, não é uma boa gravidez. Então, a questão é: essa tecnologia realmente funcionará melhor para uma paciente um pouco mais jovem e com problemas porque há menos óvulos.”

Fonte: WebMD (HealthDay)

 

 

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.