Os reguladores europeus de medicamentos aprovaram na sexta-feira a primeira vacina contra o Ebola do mundo, uma medida que foi saudada pela Organização Mundial da Saúde como um “triunfo para a saúde pública” que salvaria muitas vidas e garantiria a proteção das pessoas.

Desenvolvida pela farmacêutica norte-americana Merck & Co, a vacina já está sendo usada sob diretrizes de emergência para tentar proteger as pessoas contra a propagação de um surto mortal de Ebola na República Democrática do Congo.

Segundo relatos, a vacina também está sendo revisada sob um sistema acelerado pelos reguladores nos Estados Unidos.

O diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, disse em comunicado na quinta-feira; “Esta vacina já salvou muitas vidas no atual surto de Ebola, e a decisão do regulador europeu ajudará a salvar eventualmente muito mais”.

Mais de 2.100 pessoas foram mortas pelo ebola na República Democrática do Congo desde meados do ano passado.

Este é o segundo maior surto de Ebola da história, depois de uma epidemia de 2013-16 na África Ocidental que matou mais de 11.300.

A vacina Merck, que a empresa agora tem o nome de Ervebo, deve obter uma licença completa de marketing da Comissão Européia dentro de algumas semanas, informou a Reuters em um relatório.

A Merck disse em comunicado que sua prioridade agora é obter a aprovação regulamentar de sua fábrica em Ervebo na Alemanha, para que o fornecimento licenciado da vacina “possa ser usado para apoiar a preparação para a saúde pública global”.

As autoridades de saúde de Kinshasa disseram na semana passada que planejam introduzir uma segunda vacina experimental contra o Ebola, desenvolvida pela fabricante de medicamentos Johnson & Johnson em novembro nas províncias do leste do país.

O vírus Ebola causa febre hemorrágica e se espalha de pessoa para pessoa através do contato direto com fluidos corporais e mata cerca de metade das pessoas infectadas.


Com informações de ONU NEWS

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.