Mais de cinco bilhões de pessoas podem ter dificuldade de acesso à água em 2050, alertou as Nações Unidas na terça-feira, instando os líderes a tomar a iniciativa na cúpula da COP26.

Já em 2018, 3,6 bilhões de pessoas tinham acesso inadequado à água por pelo menos um mês por ano, disse um novo relatório da Organização Meteorológica Mundial da ONU.

“Precisamos acordar para a iminente crise da água”, disse o chefe da OMM, Petteri Taalas.

O estado dos serviços climáticos 2021: o relatório da água chega poucas semanas antes da COP26 – aConferênciadas Nações Unidas sobre Mudança Climática que será realizada em Glasgow de 31 de outubro a 12 de novembro.

A OMM destacou que, nos últimos 20 anos, os níveis de água armazenada na terra – na superfície, no subsolo, na neve e no gelo – caíram a uma taxa de um centímetro por ano.

As maiores perdas estão na Antártica e na Groenlândia, mas muitos locais de baixa latitude altamente povoados estão experimentando perdas de água significativas em áreas que tradicionalmente fornecem abastecimento de água, disse a OMM.

A agência disse que há ramificações importantes para a segurança da água, já que apenas 0,5 por cento da água na Terra está disponível e é potável.

“O aumento das temperaturas está resultando em mudanças globais e regionais de precipitação, levando a mudanças nos padrões de precipitação e nas estações agrícolas, com um grande impacto na segurança alimentar e na saúde e bem-estar humanos”, disse Taalas.

‘Não podemos esperar’
Enquanto isso, os perigos relacionados à água aumentaram em frequência nos últimos 20 anos.

Desde 2000, os desastres relacionados a enchentes aumentaram 134% em comparação com as duas décadas anteriores.

“Temos sete por cento a mais de umidade na atmosfera por causa do aquecimento atual e isso também está contribuindo para as enchentes”, disse Taalas em entrevista coletiva.

A maioria das mortes e perdas econômicas relacionadas às enchentes foram registradas na Ásia, onde os sistemas de alerta de enchentes de rios precisam ser fortalecidos, disse a OMM.

Ao mesmo tempo, houve um aumento de cerca de 30% na quantidade e na duração das secas desde 2000, sendo a África o continente mais afetado.

Taalas pediu aos países da COP26 que aumentem seu jogo.

Ele disse que a maioria dos líderes mundiais estava falando sobre as mudanças climáticas como um grande risco para o bem-estar da humanidade, mas suas ações não correspondiam às suas palavras.

“Não podemos esperar décadas para começar a atuar”, disse ele.

“Essa também é uma mensagem para países como a China, que disse que gostariam de se tornar neutros em carbono até 2060, mas não têm um plano concreto para a próxima década”.

Ele disse que a principal prioridade na COP26 é aumentar os níveis de ambição na mitigação do clima, mas mais trabalho também é necessário nas adaptações climáticas, já que a tendência negativa nos padrões climáticos continuará nas próximas décadas – e nos próximos séculos quando se trata do degelo das geleiras e do aumento do nível do mar.

Fonte: Business-standard

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.