Semelhante à maneira como um detector de fumaça dispara um alarme, certos genes detectam quando um vírus entra no corpo, alertando um invasor e desencadeando uma resposta imune na maioria dos mamíferos.
Mas, de acordo com um estudo recente publicado na Frontiers in Immunology , os pangolins – mamíferos que se assemelham a um tamanduá com escamas – carecem de dois desses genes sensíveis ao vírus. A descoberta é significativa porque, embora os pangolins possam ser portadores de coronavírus, eles parecem capazes de tolerá-los através de algum outro mecanismo desconhecido. Compreender sua vantagem evolutiva pode apontar para possíveis opções de tratamento para o coronavírus em humanos.

Os pesquisadores se concentraram nos pangolins porque o animal exótico pode ter transmitido o vírus aos seres humanos no ano passado, criando o salto interespécies necessário para a atual pandemia do COVID-19 (os morcegos também foram identificados como possíveis agentes de infecção). Para obter seus resultados, eles analisaram a sequência do genoma de pangolins e a compararam com outros mamíferos, incluindo humanos, gatos, cães e gado.

“Nosso trabalho mostra que os pangolins sobreviveram a milhões de anos de evolução sem um tipo de defesa antiviral usado por todos os outros mamíferos”, diz o co-autor Dr. Leopold Eckhart , da Universidade Médica de Viena na Áustria. “Mais estudos sobre pangolins descobrirão como eles conseguem sobreviver a infecções virais, e isso pode ajudar a conceber novas estratégias de tratamento para pessoas com infecções virais”.

Nos seres humanos, o coronavírus pode causar uma resposta imune inflamatória chamada tempestade de citocinas, o que piora os resultados. Os autores sugerem que a supressão farmacêutica da sinalização genética pode ser uma opção de tratamento possível para casos graves de COVID-19. Eckhart adverte, porém, que esse remédio pode abrir a porta para infecções secundárias. “O principal desafio é reduzir a resposta ao patógeno, mantendo o controle suficiente do vírus”, diz ele. Um sistema imunológico superativado pode ser moderado, diz Eckhart, “reduzindo a intensidade ou alterando o tempo da reação de defesa”.

Embora o estudo tenha identificado diferenças genéticas entre pangolins e outros mamíferos, ele não investigou o impacto dessas diferenças na resposta antiviral. Os cientistas ainda não entendem como exatamente os pangolins sobrevivem ao coronavírus, apenas que a falta desses dois genes de sinalização pode ter algo a ver com isso. Eckhart acrescenta que outro gene, o RIG-I, que também atua como um sensor contra vírus, deve ser estudado ainda mais, pois ele pode se defender contra os coronavírus. O estudo oferece um ponto de partida para entender melhor as características do coronavírus, a resposta do organismo e as melhores opções de tratamento.

Artigo original: Pangolins lack IFIH1/MDA5, a cytoplasmic RNA sensor that initiates innate immune defense upon coronavirus infection

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.