Um estudo de quase uma década de porcos chineses descobriu um novo tipo potencialmente perigoso de vírus da gripe.

A pesquisa, publicada na revista Proceedings da National Academy of Sciences , descreve uma cepa de gripe que compartilha genes com a que causou a pandemia de gripe suína em 2009.

Os cientistas descobriram que o vírus é uma combinação de três cepas de gripe: uma de aves européias e asiáticas, a que causou o surto de gripe suína de 2009 e uma gripe norte-americana que possui genes de vírus de gripe aviária, humana e de porco.

A nova cepa pode representar uma grande ameaça se ela pular para os seres humanos, alertaram os pesquisadores, embora ainda não o tenha feito. Além disso, por conter partes da gripe suína de 2009 , “pode ​​promover a adaptação do vírus” que leva à transmissão de humano para humano, escreveram os pesquisadores.

Dada a devastação causada pela pandemia de coronavírus, disseram os pesquisadores, é essencial tomar medidas proativas agora para proteger as pessoas contra a gripe suína, acrescentaram.

Um novo tipo emergente de gripe suína

A identificação de novas cepas de vírus em porcos é crucial para evitar outra pandemia.

A pandemia de H1N1 de 2009 foi causada por um vírus da gripe A que emergiu de porcos. Os animais podem servir de reservatório para doenças infecciosas, pois podem ser infectados com cepas de aves, porcos e influenza humana. Quando várias cepas de influenza infectam o mesmo porco, os vírus podem trocar e substituir genes, um processo conhecido como “rearranjo”, levando à criação de uma nova doença.

A equipe de pesquisadores chineses que conduziu este estudo teve como objetivo identificar esses tipos de vírus potencialmente perigosos, nunca antes vistos em porcos. O trabalho que os levou a encontrar essa nova cepa começou em 2011 e continuou até 2018. Eles pegaram quase 30.000 zaragatoas de porcos em matadouros em 10 províncias chinesas e outras mil zaragatoas de porcos com sintomas respiratórios em um hospital veterinário local.

Os pesquisadores descobriram 179 cepas de vírus em populações de suínos chinesas, mas essa se destacou.

Eles chamaram a preocupante nova cepa de gripe G4 EA H1N1. O vírus surgiu em uma escala maior nas populações suínas desde 2016, segundo o estudo – é “o genótipo predominante na circulação em porcos detectados em pelo menos 10 províncias”, escreveram os pesquisadores.

Eles acrescentaram que o vírus é “distinto das atuais linhagens de vacinas contra influenza humana, indicando que a imunidade preexistente derivada das atuais vacinas sazonais contra influenza humana não pode fornecer proteção”.

Ao testar o vírus em um laboratório, eles descobriram que ele se reproduz no sistema respiratório. Pode se espalhar entre os animais através de pequenas partículas transportadas pelo ar. Também transmite facilmente entre furões, uma espécie que os cientistas costumam usar como um indicador de quão ruins podem ser os vírus nos seres humanos. (Os furões apresentam sintomas de gripe semelhantes aos humanos quando infectados.)

“O controle dos vírus G4 EA H1N1 predominantes em porcos e o monitoramento rigoroso em populações humanas, especialmente os trabalhadores da indústria suína, devem ser implementados com urgência”, escreveram os pesquisadores.

A ameaça de outra pandemia de gripe suína

O H1N1 surgiu no final de 2008 e infectou aproximadamente 60,8 milhões de pessoas nos EUA até 2010. Foi referido como “gripe suína” porque originalmente saltou de porcos para humanos .

As estimativas do total global de mortes por H1N1 variam de 151.700 a 575.400. Porém, o H1N1 diferiu de outros surtos de influenza, pois 80% das mortes relacionadas ao vírus ocorreram em pessoas com menos de 65 anos. (Entre 70% e 90% das mortes por surtos de influenza geralmente ocorrem naqueles com mais de 65 anos).

No total, os cientistas acham que mamíferos e aves em todo o mundo hospedam cerca de 1,7 milhão de tipos de vírus não descobertos . Vírus em pássaros, morcegos e porcos são especialmente arriscados para as pessoas.

A China tem a maior população suína do mundo – cerca de 310 milhões, segundo Statista . Então, os cientistas chineses os monitoram na tentativa de encontrar doenças emergentes antes que elas se espalhem.

“A vigilância sistemática dos vírus influenza em porcos é essencial para o alerta precoce e a preparação para a próxima pandemia potencial”, escreveram os pesquisadores por trás do novo estudo.

A vigilância deles também descobriu outras tendências: descobriram que a porção de porcos estudada que apresentava doenças aumentou com o tempo. O número passou de 1,4% em 2011 para 8,2% em 2018, com um forte aumento após 2014.

Um sistema de vigilância semelhante também existe para os coronavírus. Os cientistas acreditam que o novo coronavírus, conhecido SARS-CoV-2, saltou para pessoas de morcegos, provavelmente por meio de uma espécie animal intermediária.

Fontes: The guardian / Business insider / G1

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.