O cientista médico Botond Roska desembolsou um cheque de € 1 milhão para sua pesquisa inovadora da Fundação Körber da Alemanha. Seu tratamento baseado em genes para restaurar a visão já entrou em testes clínicos.

Um pesquisador húngaro ganhou o Prêmio Körber de Ciência Europeia 2020 em Hamburgo, Alemanha, na semana passada, levando um cheque de um milhão de euros no processo.

O professor Botond Roska, que trabalha na cidade suíça de Basel, descobriu uma terapia baseada em genes que reprograma células do olho humano para que possam realizar o trabalho dos receptores sensíveis à luz necessários para a visão humana, de acordo com a Fundação Körber que distribui o prêmio anual. Espera-se que o procedimento reative as retinas dos cegos.

O cientista médico disse que, por enquanto, o processo cria um nível de visão semelhante a assistir televisão em preto e branco. Testes clínicos em voluntários cegos já estão em andamento como resultado do trabalho inovador do pesquisador nascido em Budapeste.

“A pesquisa de Roska despertou a esperança de que novos métodos de tratamento possam restaurar a capacidade de ver nos cegos”, disse o prefeito de Hamburgo, Peter Tschentscher, na cerimônia.

Desvio
O prêmio da Fundação Körber foi concedido pela primeira vez em 1985 e reconhece cientistas cujo trabalho aplicou técnicas futurísticas às ciências físicas.

Filho de um cientista da computação e de um pianista, Roska começou sua carreira na medicina “depois de um desvio”, disse Tschentscher. O cientista estudou violoncelo pela primeira vez na Academia de Música Liszt Ferenc, em Budapeste, mas teve que desistir do instrumento após um ferimento, após o que começou a estudar medicina e matemática.

O vencedor do prestigioso prêmio do ano passado foi o cientista de inteligência artificial alemão Bernhard Schölkopf, da Max Planck Society.

Fonte: DW

 

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.