Pesquisadores das Universidades Northwestern e George Washington nos EUA publicaram recentemente um artigo na revista científica Nature Biotechnology em que revelaram que desenvolveram o primeiro marca-passo “transitório” da história, um dispositivo sem bateria sem fio que se implanta no corpo e biodegrada após ter cumprido a sua função.

Os marcapassos cardíacos são pequenos aparelhos tradicionalmente operados por baterias, capazes de detectar se o coração está batendo de forma irregular ou muito lenta. Nesses casos, o dispositivo envia um impulso elétrico para fazer o coração bater na taxa correta. No entanto, os marcapassos clássicos precisam ser substituídos ocasionalmente, pois as baterias e os eletrodos podem se desgastar, levando a novos procedimentos cirúrgicos. Além disso, esses dispositivos não são isentos de complicações médicas, incluindo infecção no local de implantação, danos aos tecidos, sangramento e trombose.

1625495956 120 Researchers Create First Lead Free Battery Free Pacemaker That Biodegrades When No 1024x577 - Pesquisadores criam o primeiro marcapasso sem chumbo e bateria que se biodegrada quando não é mais necessário

No entanto, esses problemas poderiam estar mais perto de ser resolvidos graças a este marcapasso recente e inovador, no qual todos os seus componentes são biocompatíveis e são absorvidos naturalmente pelos fluidos corporais ao longo de cinco a sete semanas, sem a necessidade de remoção cirúrgica. O dispositivo muito flexível e leve pode ser usado para pacientes que precisam de estimulação temporária após cirurgia cardíaca ou enquanto esperam por um marca-passo definitivo.

“Nossos marcapassos transitórios sem fio superam as principais desvantagens dos dispositivos temporários tradicionais, eliminando a necessidade de eletrodos percutâneos para procedimentos de remoção cirúrgica, oferecendo o potencial de reduzir custos e melhorar os resultados do atendimento ao paciente”, disse John Rogers, principal desenvolvedor do mecanismo. “Este tipo incomum de dispositivo pode representar o futuro da tecnologia de estimulação temporária”, acrescentou.

O novo marca-passo pesa menos de meio grama e encapsula eletrodos que são gentilmente rolados sobre a superfície do coração para gerar um pulso elétrico. Outra vantagem é que ele coleta energia sem fio de uma antena remota externa usando protocolos de comunicação de campo próximo, a mesma tecnologia usada em smartphones para fazer pagamentos eletrônicos.

Por seu turno, o cardiologista e codiretor do estudo Rishi Arora salienta que “acabará por ser possível implantar estes marcapassos bioabsorvíveis através de uma veia da perna ou do braço”, o que permitiria proporcionar uma estimulação temporária aos doentes que sofreram. um ataque cardíaco ou para “pacientes submetidos a procedimentos de cateter, como a substituição transcateter da válvula aórtica.”

“A plataforma de eletrônicos transitórios abre um capítulo completamente novo na medicina e na pesquisa biomédica”, concluiu Igor Efimov, também codiretor do estudo. “Os materiais bioabsorvíveis que são a base desta tecnologia permitem a criação de um grande número de dispositivos transitórios diagnósticos e terapêuticos para monitorar a progressão de doenças e tratamentos, administrar elétricos, farmacológicos, terapias celulares, reprogramação de genes e muito mais”, explicou o especialista .

Fonte: Then24

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.