Pessoas no espectro do autismo são mais propensas a experimentar sentimentos de depressão e ansiedade durante a gravidez , sugeriu um estudo.

Os pesquisadores descobriram que os pais autistas eram cerca de três vezes mais propensos a relatar ter experimentado depressão e ansiedade pré-natal do que aqueles sem autismo.

O estudo, liderado por especialistas do Autism Research Center da Universidade de Cambridge, revelou que 24% dos pais autistas relataram sentir-se deprimidos durante a gravidez, em comparação com apenas 9% dos pais não autistas.

Além disso, quase metade (48 por cento) dos pais autistas relataram ter ansiedade pré-natal, enquanto apenas 14 por cento dos pais não autistas relataram o mesmo.

O estudo envolveu 524 pessoas não autistas e 417 autistas que estavam grávidas na época ou já haviam dado à luz.

Os entrevistados autistas relataram sentir menor satisfação com a saúde da gravidez e também eram menos propensos a confiar nos profissionais médicos ou sentir que suas perguntas e preocupações eram levadas a sério.

Elas também eram menos propensas a sentir que os médicos as tratavam com respeito e mais propensas a ter problemas sensoriais durante a gravidez, com o ambiente sensorial das consultas pré-natais muitas vezes provando ser opressor.

Os pesquisadores sugeriram que suas descobertas têm “implicações importantes para apoiar pessoas autistas durante a gravidez”.

Sarah Hampton, pesquisadora principal do estudo, disse: “Este estudo sugere que pessoas autistas são mais vulneráveis ​​a problemas de saúde mental durante a gravidez. É imperativo que a triagem e o apoio efetivos à saúde mental estejam disponíveis para pessoas autistas durante a gravidez”.

Outro membro da equipe, a Dra. Rosie Holt, acrescentou que os resultados também sugerem que as pessoas autistas podem se beneficiar se os profissionais de saúde fizerem acomodações para elas durante as consultas pré-natais.

“Isso pode incluir ajustes no ambiente sensorial dos ambientes de saúde, bem como ajustes na forma como as informações são comunicadas durante as consultas de pré-natal”, disse ela.

Especialistas pediram mais pesquisas sobre as experiências de novos pais autistas para ajudá-los a se ajustar melhor à vida com os filhos.

O professor Simon Baron-Cohen, diretor do Autism Research Centre, disse que os pais autistas foram “negligenciados na pesquisa”, acrescentando: “Também é importante que esta pesquisa seja traduzida em políticas e práticas de assistência social e de saúde para garantir que esses pais recebam o suporte e adaptações de que precisam em tempo hábil.”

Referência
Hampton, S, Allison, C, Baron-Cohen, S, & Holt, R (2022). Experiências perinatais de pessoas autistas I: uma pesquisa sobre experiências de gravidez. Jornal de Autismo e Distúrbios do Desenvolvimento

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.