O coronavírus é uma pandemia perigosa e a batalha ainda está longe de acabar. Como podemos derrotá-lo e voltar ao “normal”? Uma vacina? Uma cura eficaz que bloqueie a doença nos estágios iniciais? Ainda há muitas perguntas que não foram respondidas. Mas há muitas opções, o que é um bom presságio.

Da possibilidade de prevenção a terapias como o plasma hiperimune, é assim que Andrea Crisanti , diretor do Departamento de Medicina Molecular da Universidade de Pádua e do Laboratório de Virologia e Microbiologia da Universidade AO de Pádua, vê o futuro .

O SARS-CoV-2 é um vírus de RNA positivo, o qual é constituído pelo ácido nucleico de cadeia simples de ácido, neste caso, capaz de sintetizar as proteínas necessárias para sobreviver.

Mas somente se, como todos os vírus, conseguir enganar um hospedeiro infeliz, cujas células começam a replicar o vírus “pensando” em produzir as proteínas de que precisam. Os vírus, portanto, precisam de outras células para sobreviver e tendem a sofrer mutações para se adaptar a possíveis hóspedes e sobreviver.

Também não está claro se e por quanto tempo o SARS-CoV-2 consegue imunizar aqueles que superaram a doença.

Então, faz sentido pensar em uma vacina se o vírus costuma mudar e se houver dúvida de que mesmo a imunização natural é real e duradoura?

“Na licença de imunidade , sempre levanto dúvidas e precauções, porque ainda não sabemos várias coisas. Antes de tudo, se os anticorpos são protetores e por quanto tempo duram – confirma Crisanti -. E, com base nos estudos que fizemos sobre a adequação dos sacos de plasma, as dúvidas aumentam, porque grande parte desse plasma não é neutralizante in vitro e os assintomáticos não produzem. anticorpos. Estou começando a ficar alarmado. A imunidade induzida naturalmente pelo vírus é tão variada que não sinto vontade de dizer que a maioria das pessoas que são infectadas fica protegida “.

Tudo perdido? Não, a ciência não realiza milagres, mas segue em frente e frequentemente encontra soluções.

“Nas questões de patente de imunidade, sempre levanto dúvidas e precauções, porque ainda não sabemos várias coisas. Antes de tudo, se os anticorpos são protetores e por quanto tempo duram – confirma Crisanti -. E, com base nos estudos que fizemos sobre a adequação das bolsas de plasma, as dúvidas aumentam, porque grande parte desse plasma não é neutralizante in vitro e os assintomáticos não produzem anticorpos. Estou começando a ficar alarmado. A imunidade induzida naturalmente pelo vírus é tão variada que não sinto vontade de dizer que a maioria das pessoas que são infectadas fica protegida “.

Tudo perdido? Não, a ciência não realiza milagres, mas segue em frente e frequentemente encontra soluções.

“A esperança de encontrar uma vacina nunca deve morrer. E acho que as tentativas que estão sendo feitas para encontrá-la são justificadas. Mas temos que lidar com a realidade: não é possível desenvolver vacinas para todas as doenças. Nesse caso, ainda não sabemos onde o vírus está localizado. Ele entrou neste nicho ecológico há pouco tempo, muito pouco. Nem sabemos se o sistema imunológico exerce pressão seletiva e onde o exerce “.

Enquanto isso, podemos nos concentrar no plasma hiperimune que parece dar excelentes resultados?

A técnica, cujo nome científico: terapia imunológica passiva, por utilizar anticorpos já desenvolvidos por outra pessoa, não induz o desenvolvimento de anticorpos “autógenos”, possui vários limites e dificuldades, em particular:

Não é suficiente para todos:

“Apenas uma pequena fração do plasma que recebemos de pacientes curados é adequada. Isso ocorre porque a maioria das pessoas que adoece com sintomas leves desenvolve muito poucos anticorpos. Outra parte desenvolve anticorpos, mas estes não bloqueiam, ou seja, não conseguem neutralizar a entrada do vírus nas células. A fração de plasma “bom” varia entre 20 e 30% “.

É usado apenas em casos especiais:

Precisamente porque não é para todos, é administrado apenas em casos especiais, a pessoas que não responderam a diferentes terapias e que estão em tratamento intensivo. Embora alguns estudos e diretrizes indiquem que, na realidade, a terapia deve ser administrada nos estágios iniciais da doença para bloquear imediatamente seu avanço. Mas atualmente não é possível.

Como o professor nos explica:

“O problema é que administrá-lo nos estágios iniciais da doença é difícil porque, como não há o suficiente, não está claro imediatamente quem pode curar por conta própria e quem precisaria. Em outras palavras, existe o risco de dar plasma a pacientes que ainda seriam curados por conta própria e, em seguida, não tê-lo para aqueles que não têm alternativas”.

De fato, é uma terapia experimental no caso do coronavírus e, portanto, não tendo certeza da eficácia em relação aos possíveis efeitos colaterais, é dirigida àqueles que não parecem ter alternativas (‘uso compassivo’).

Como você sai disso? A solução poderia ser a produção in vitro de anticorpos humanos, o que certamente não seria novo nem pouco testado em outros casos.

“A terapia imunológica passiva é uma prática usada há décadas – afirma ele – qualquer pessoa que tenha sido ferida, tenha sofrido até acidentes leves, tenha recebido antitétano e imunoglobulina em hospitais. Estas são a substância ativa que está no plasma, ou seja, anticorpos direcionados contra o vírus. Mas o mesmo acontece se você é mordido por um cão ou outros animais (a profilaxia da raiva é tanto a vacina quanto a imunoglobulina). A terapia plasmática é uma abordagem menos sofisticada do que a administração de imunoglobulina. Se tivéssemos muito plasma, produziríamos esses anticorpos purificados, que são muito mais eficazes “.

“A tecnologia para reproduzir anticorpos humanos in vitro existe e também é bastante consolidada. Não me surpreenderia, portanto, que em um futuro próximo, em vez de administrar plasma, você possa ter terapia com anticorpos humanos recombinantes. Nesse ponto, não haveria limites porque a terapia seria padronizada para todos “.

E há uma esperança ainda mais “rápida” , mas isso depende do vírus.

“Normalmente, quando um vírus entra em um novo nicho ecológico, um novo hospedeiro tende a se tornar mais virulento no começo. Mas quando o sistema retorna ao equilíbrio, componentes menos virulentos são selecionados. Agora ainda estamos no estágio inicial ”, explica Crisanti.

Em outras palavras, podemos esperar que, se houver uma segunda onda, isso possa ser menos perigoso.

Dedos cruzados!

Adaptado do site GreenMe

COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.