Pessoas com alto QI são consideradas como tendo uma vantagem em muitos domínios. Prevê-se que eles tenham maior nível educacional, melhores empregos e um nível de renda mais alto. No entanto, verifica-se que um QI alto também está associado a várias doenças mentais e imunológicas, como depressão, transtorno bipolar, ansiedade, TDAH, além de alergias, asma e distúrbios imunológicos. Por que é que? Um novo artigo publicado na revista Intelligence revisa a literatura e explora os mecanismos que possivelmente fundamentam essa conexão.

Os autores do estudo compararam dados de 3.715 membros da American Mensa Society (pessoas que pontuaram nos 2% melhores testes inteligentes) com dados de pesquisas nacionais para examinar a prevalência de vários distúrbios naqueles com maior inteligência em comparação com os população média.

Quando se trata de doenças fisiológicas, pessoas com altas habilidades cognitivas são 213% mais propensas a ter alergias ambientais, 108% mais propensas a ter asma e 84% mais propensas a ter uma doença autoimune.

Os pesquisadores se voltaram para o campo da psiconeuroimunologia (PNI) em busca de algumas das respostas. O PNI examina como o estresse crônico acumulado como resposta a fatores ambientais influencia a comunicação entre o cérebro e o sistema imunológico.

Os pesquisadores apontam que pessoas altamente inteligentes têm tendências para “superexcitabilidade intelectual” e uma hiper-reatividade do sistema nervoso central. Por um lado, isso dá às pessoas com alto QI uma maior consciência que ajuda seu trabalho criativo e artístico. De fato, o campo da capacidade cognitiva reconhece que um aspecto das pessoas altamente inteligentes é “uma capacidade mais ampla e profunda de compreender seus arredores”.

Essa hiper-reatividade, no entanto, também pode levar a depressões mais profundas e problemas de saúde mental. Isso acaba sendo particularmente verdadeiro para poetas, romancistas e pessoas com alta inteligência verbal. Sua intensa resposta emocional ao ambiente aumenta as tendências para ruminação e preocupação, ambas predizendo depressão e transtornos de ansiedade.

Respostas psicológicas aumentadas podem afetar a imunidade, escrevem os pesquisadores. Pessoas com hiperexcitabilidade podem ter fortes reações a estímulos externos aparentemente inofensivos, como uma etiqueta de roupa irritante ou um som. Essa reação pode se transformar em estresse crônico de baixo nível e desencadear uma resposta imune inadequada.

Quando o corpo acredita que está em perigo (independentemente de ser objetivamente real como uma toxina ou imaginado como um som irritante), ele lança uma cascata de respostas fisiológicas que incluem uma infinidade de hormônios, neurotransmissores e moléculas sinalizadoras. Quando esses processos são ativados cronicamente, eles podem alterar o corpo e o cérebro, desregular a função imunológica e levar a condições como asma, alergias e doenças autoimunes.

A literatura científica tem confirmado a associação entre crianças superdotadas e um aumento da taxa de alergias e asma. Um estudo mostra que 44% das pessoas com QI acima de 160 sofriam de alergias em comparação com 20% dos colegas da mesma idade. O estudo exploratório feito pelos autores deste último artigo corrobora ainda mais essa conexão.

Com base em suas descobertas e estudos anteriores, os pesquisadores denominaram esse fenômeno de teoria da integração hipercérebro/hipercorpo, explicando que:

As superexcitabilidades específicas para aqueles com alta inteligência podem colocar esses indivíduos em risco de hipersensibilidade a eventos ambientais internos e/ou externos. A ruminação e a preocupação que acompanham essa consciência aumentada podem contribuir para um padrão crônico de respostas de luta, fuga ou congelamento que, então, lançam uma cascata de eventos imunológicos. […] Idealmente, a regulação imunológica é um equilíbrio ideal de resposta pró e anti-inflamatória. Ele deve se concentrar na inflamação com força e, em seguida, retornar imediatamente a um estado calmo. Naqueles com as superexcitabilidades discutidas anteriormente, inclusive naqueles com TEA, esse sistema parece não conseguir um equilíbrio e, portanto, os sinais inflamatórios criam um estado de ativação crônica.

Os autores concluem que é importante estudar mais a relação entre alta inteligência (particularmente os 2% superiores) e doença, especialmente para demonstrar a causa e trazer à tona os aspectos negativos de ter um QI alto. Como se costuma dizer, “este dom pode ser um catalisador para o empoderamento e auto-realização ou pode ser um preditor de desregulação e debilitação” e para servir este grupo, é importante “reconhecer os estrondos de trovão que se seguem em o rastro de seu brilho.”

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.