Futuros pais, tomem nota: Vocês podem ser mais úteis na sala de parto do que vocês imaginam.

Essa é uma conclusão de um estudo divulgado na semana passada que descobriu que quando um parceiro empático segura a mão de uma mulher com dor, o coração e as taxas respiratórias se sincronizam e a dor se dissipa.

“Quanto mais empático o parceiro e mais forte o efeito analgésico, maior a sincronização entre os dois quando eles estão tocando”, disse o principal autor Pavel Goldstein, pesquisador pós-doutoral em dor no Laboratório de Neurociência Cognitiva e Afetiva na CU Boulder.

O estudo de 22 casais, publicado na revista Scientific Reports na semana passada, é o mais recente de um corpo crescente de pesquisas sobre “sincronização interpessoal”, o fenômeno no qual os indivíduos começam a espelhar fisiologicamente as pessoas com quem estão.

Os cientistas sabem há muito tempo que as pessoas inconscientemente sincronizam seus passos com a pessoa com quem estão caminhando ou ajustam sua postura para espelhar as de um amigo durante a conversa.
Estudos recentes também mostram que quando as pessoas assistem a um filme emocional ou cantam juntas, seus batimentos cardíacos e ritmos respiratórios se sincronizam. Quando líderes e seguidores têm um bom relacionamento, suas ondas cerebrais caem em um padrão similar. E quando os casais românticos estão simplesmente na presença um do outro, seus padrões cardiorrespiratórios e de ondas cerebrais se sincronizam, mostrou a pesquisa.

O novo estudo, co-escrito com a professora da Universidade de Haifa, Simone Shamay-Tsoory, e com a professora assistente Irit Weissman-Fogel, é o primeiro a explorar a sincronização interpessoal no contexto da dor e do toque. Os autores esperam que ele possa informar a discussão enquanto os profissionais de saúde procuram opções de alívio da dor sem opioides.

Goldstein surgiu com a ideia depois de testemunhar o nascimento de sua filha, agora com 4 anos.

“Minha esposa estava com dor, e tudo que eu conseguia pensar era: ‘O que posso fazer para ajudá-la?’ Eu peguei a mão dela e pareceu ajudar”, lembra ele. “Eu queria testá-lo no laboratório: pode-se realmente diminuir a dor com o toque e, em caso afirmativo, como?”

Goldstein recrutou 22 casais heterossexuais de longo prazo, com idades entre 23 e 32 anos, e os fez passar por uma série de testes com o objetivo de imitar o cenário da sala de parto.

Aos homens foi atribuído o papel de observador; mulheres o alvo da dor. Quando os instrumentos mediam suas taxas de coração e respiração, eles se sentavam juntos, sem se tocar; sentados juntos de mãos dadas; ou sentava-se em quartos separados. Então eles repetiram os três cenários enquanto a mulher era submetida a uma leve dor de calor no antebraço por 2 minutos.

Como em estudos anteriores, o estudo mostrou casais fisiologicamente sincronizados em algum grau apenas sentados juntos. Mas quando ela foi submetida a dor e ele não pôde tocá-la, essa sincronização foi cortada. Quando ele foi autorizado a segurar a mão dela, suas taxas caíram em sincronia novamente e sua dor diminuiu.

“Parece que a dor interrompe totalmente essa sincronização interpessoal entre casais”, disse Goldstein. “O toque traz de volta.”

A pesquisa anterior de Goldstein descobriu que, quanto mais empatia o homem mostrava pela mulher (medida em outros testes), mais a dor diminuía durante o toque. Quanto mais fisiologicamente sincronizados eles eram, menos dor ela sentia.

Ainda não está claro se a diminuição da dor está causando aumento da sincronicidade ou vice-versa.

“Pode ser que o toque seja uma ferramenta para comunicar empatia, resultando em um efeito analgésico”, disse Goldstein.

Mais pesquisas são necessárias para descobrir como o toque de um parceiro facilita a dor. Goldstein suspeita que a sincronização interpessoal pode desempenhar um papel, possivelmente por afetar uma área do cérebro chamada córtex cingulado anterior, que está associada à percepção da dor, empatia e função cardíaca e respiratória.

O estudo não explorou se o mesmo efeito ocorreria com casais do mesmo sexo, ou o que acontece quando o homem é sujeito à dor. Goldstein mediu a atividade das ondas cerebrais e planeja apresentar esses resultados em um estudo futuro.

Ele espera que a pesquisa ajude a dar credibilidade científica à noção de que o toque pode aliviar a dor.

Por enquanto, ele tem alguns conselhos para parceiros na sala de parto: esteja pronto e disponível para segurar a mão da sua parceira.


Fontes: Lisa Ann Marshall – Universidade do Colorado em Boulderneurosciencenews        Pesquisa original: Pesquisa de acesso aberto para “The role of touch in regulating inter-partner physiological coupling during empathy for pain” by Pavel Goldstein, Irit Weissman-Fogel & Simone G. Shamay-Tsoory in Scientific Reports.

 

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.