O mais recente avanço do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) na área de saúde não é um novo medicamento ou tratamento. É uma reimaginação da seringa humilde que poderia aumentar dramaticamente o acesso a uma classe poderosa de drogas.

Conhecidos como “biológicos”, esses medicamentos são derivados de células vivas – o botox e a insulina humana são dois exemplos – e têm uma série de vantagens sobre seus equivalentes sintéticos.

“(Biológicos) permitem um grau de personalização, especificidade e resposta imunológica que simplesmente não está disponível com drogas de moléculas pequenas”, disse o pesquisador Vishnu Jayaprakash ao MIT News. “É por isso que, globalmente, as pessoas estão empurrando para drogas biológicas.”

O gargalo biológico

Hoje, os médicos usam produtos biológicos para tratar uma série de problemas de saúde, de diabetes a vários tipos de câncer, mas administrar os medicamentos é complicado.

Muitos produtos biológicos são altamente viscosos, o que significa que sua consistência é pegajosa e espessa, como o mel. Por causa disso, mais de 100 produtos biológicos conhecidos são impossíveis de serem injetados com uma seringa padrão.

Existem algumas alternativas, mas nenhuma é ideal, especialmente quando se considera como tratar as pessoas em países em desenvolvimento ou áreas rurais.

Os médicos podem diluir os medicamentos e administrá-los por via intravenosa, mas isso só é viável para pacientes que têm acesso a um hospital ou clínica (e tempo para matar). Autoinjetores como o Epi-Pen são atualmente muito caros para uso generalizado. Os injetores a jato também são caros e estão sujeitos a contaminação.

“Onde a entrega de drogas e produtos biológicos são direcionados, a injetabilidade está se tornando um grande gargalo, evitando formulações que poderiam tratar doenças mais facilmente”, disse o pesquisador Kripa Varanasi.

Uma Seringa Melhor

Para resolver esse problema, os pesquisadores do MIT desenvolveram uma nova seringa de baixo custo que torna possível injetar produtos biológicos viscosos sem diluí-los.

Em vez de conter um cilindro, como uma seringa padrão, esta contém dois, um dentro do outro.

O biológico vai no interior do cano e um lubrificante fino vai no outro. Quando o êmbolo da seringa é pressionado, o lubrificante reveste o biológico, ajudando-o a sair da agulha com menos resistência.

De acordo com o estudo, publicado na revista Advanced Healthcare Materials, a seringa reduziu em 85% a quantidade de força necessária para injetar até mesmo o medicamento mais viscoso testado.

Agora, todos os 100 produtos biológicos que eram anteriormente muito viscosos para ser aplicados por seringa podem ser injetados, abrindo seu uso em locais onde outras opções de entrega não são viáveis.

“Não deve haver razão para que esta abordagem, dada a sua simplicidade, não possa ajudar a resolver o que ouvimos da indústria ser um problema emergente”, disse Varanasi. “O trabalho básico está feito. Agora é apenas aplicá-lo a diferentes formulações.”

Fonte: MIT News

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.