Está bem estabelecido que a deficiência de vitamina D é um fator de risco para o desenvolvimento de doenças cardíacas. Agora, os cientistas confirmaram que tomar suplementos de vitamina D não reduz o risco de doença cardiovascular.

Por muitos anos, cientistas sugeriram que a deficiência de vitamina D é um fator-chave para uma ampla gama de problemas de saúde, incluindo doenças cardíacas, diabetes, depressão e ossos frágeis. As doenças cardiovasculares (DCV) têm sido associadas a baixos níveis de vitamina D no organismo, e os médicos recomendam a suplementação para prevenir doenças cardíacas.

A vitamina D não tem efeito sobre o risco de DCV

Apesar de vários estudos que buscam a ligação entre a deficiência de vitamina D e a saúde cardíaca deficiente, não há muitas evidências que provem que os baixos níveis de vitamina D possam causar doenças cardíacas ou que a ingestão suficiente dessa vitamina pode prevenir essa condição.

Pesquisadores da Michigan State University recentemente analisaram 21 ensaios clínicos em vitamina D. Eles descobriram que tomar suplementos de vitamina D não previne ataques cardíacos, doenças cardíacas, derrame ou morte por doenças cardiovasculares.

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), a maior causa de morte em países ricos e emergentes são doenças cardiovasculares. Em todo o mundo, 17 milhões de pessoas sofrem de problemas no coração. No Brasil, essa taxa anual chega a 300 mil, de acordo com o Ministério da Saúde, o que corresponde a uma morte a cada dois minutos.

Para dar a dimensão da gravidade das doenças do coração, a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) criou o cardiômetro, que reúne diversos indicadores a repeito do tema no País.

Nenhuma diferença de risco entre dois grupos experimentais

Para o estudo atual, que foi publicado no Journal of American Medical Association Cardiology , os pesquisadores recrutaram 83.291 pacientes, dos quais, mais de 41.669 receberam suplementos de vitamina D e 41.622 receberam placebos.

Os pesquisadores queriam determinar a ligação entre a vitamina D e a redução do risco de DCV entre os pacientes. Os resultados do estudo mostram que muitas pessoas no grupo da vitamina D sofreram derrames, ataques cardíacos e morreram de problemas cardiovasculares, assim como aqueles que estavam no grupo do placebo.

“Nós pensamos que iria mostrar algum benefício. Ele não mostrou nem um pequeno benefício. Isso foi surpreendente”, Mahmoud Barbarawi, o principal médico residente no Hurley Medical Center, em Michigan, e um instrutor clínico no MSU College of Human Medicine disse em uma declaração.

Os resultados foram consistentes mesmo quando o gênero foi levado em consideração. Não há diferença no risco entre mulheres e homens.

“Há muitas coisas que as pessoas podem fazer para reduzir o risco cardiovascular – fazendo exercícios regulares, alimentação saudável, parando de fumar e controlando hipertensão e diabetes. Mas dar suplementos de vitamina D para reduzir o risco cardiovascular não é recomendado ”.

Mahmoud Barbarawi

Os pesquisadores sugerem que médicos e pacientes devem pensar duas vezes antes de tomar suplementos de vitamina D para diminuir as chances de ter um ataque violento ou outras doenças cardiovasculares.

Embora o estudo não tenha mostrado redução do risco de doenças cardíacas, os pacientes que estão sendo tratados por problemas ósseos, como a osteoporose, ainda podem se beneficiar da suplementação de vitamina D.

O que é vitamina D e por que precisamos disso?

A vitamina D, também conhecida como a vitamina do sol, é uma vitamina lipossolúvel produzida pelo corpo quando a pele é exposta ao sol. A vitamina D é importante para manter os ossos saudáveis. Também foi mostrado para proteger contra muitas doenças, incluindo diabetes tipo 1, múltiplos, esclerose e câncer.

A pele humana produz vitamina D quando exposta ao sol. As pessoas que vivem mais longe do equador tendem a ter níveis mais baixos de vitamina D no sangue. Embora a suplementação seja recomendada, ela visa principalmente tornar os ossos saudáveis ​​e fortes. Esta vitamina desempenha um papel fundamental na manutenção do cálcio e do fósforo no sangue. Também ajuda na absorção de cálcio nos intestinos.

A ingestão diária recomendada de vitamina D é de 400 a 800 UI, ou 10 a 20 microgramas. As principais fontes de vitamina D incluem exposição ao sol e fontes de alimento, como óleo de fígado de bacalhau, peixe arenque, peixe-espada, salmão, atum, ovo, frango, cogumelos maitake, leite desnatado fortificado, fígado bovino e queijo.

A deficiência de vitamina D pode resultar em obesidade, hipertensão, fibromialgia, síndrome da fadiga crônica, diabetes, hipertensão, depressão e osteoporose. Os sinais e sintomas comuns incluem fadiga, ossos doloridos, dor nas costas, humor deprimido, perda de cabelo, dores musculares, perda de cabelo e ficar doente mais frequentemente do que o habitual.

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.