A Tailândia, que já luta contra a disseminação do coronavírus, agora enfrenta outro surto viral mortal – em cavalos. Com centenas de mortes de cavalos relatadas lá nas últimas 3 semanas, os proprietários de cavalos estão correndo para selar seus animais em ambientes fechados com redes, longe de mosquitos que espalham o vírus da peste do cavalo africano (PEA). Alguns cientistas suspeitam que as zebras, importadas da África, levaram ao surto.

O surgimento repentino da doença, longe de seu lar endêmico na África subsaariana, surpreendeu as autoridades veterinárias tailandesas, que estão intensificando os testes para a doença e ordenando a vacinação de milhares de cavalos, burros e mulas. É o primeiro grande surto da doença fora da África em 30 anos, e os especialistas em PEA estão preocupados com a possibilidade de se espalhar para os países vizinhos do sudeste da Ásia. “Um surto sustentado e persistente de [PEA] que se espalha para outros países seria devastador, não apenas para a indústria de corridas e animais de companhia, mas também para alguns dos trabalhadores mais pobres da região que dependem de cavalos, burros e mulas, ”Diz Simon Carpenter, um entomologista do Laboratório Pirbright no Reino Unido.

Sem controles, o vírus pode até viajar através de mosquitos transportados pelo vento através dos mares para rebanhos nas nações insulares, trabalhando gradualmente na Austrália, que possui mais de 1 milhão de cavalos de corrida, esporte e selvagens. O país está “se envolvendo com outros países para desenvolver uma resposta regional a esse surto”, diz o diretor veterinário da Austrália, Mark Schipp.

O vírus AHS infecta cavalos, burros e zebras e é normalmente transmitido por mosquitos Culicoides que vivem em climas quentes e tropicais. O vírus causa doenças cardíacas e pulmonares graves que matam pelo menos 70% dos cavalos infectados, mas poupa zebras e a maioria dos burros, que atuam como reservatórios do vírus, diz Evan Sergeant, epidemiologista do AusVet Animal Health Services em Canberra, Austrália. As opções de tratamento são limitadas principalmente aos cuidados paliativos, embora a eutanásia às vezes seja recomendada devido à brutalidade da doença, que causa febre alta, olhos inchados, dificuldade em respirar, narinas espumosas, sangramento interno e morte súbita.

Além de breves surtos em áreas ao largo da costa africana, a PEA está contido na África desde 1990, quando as autoridades veterinárias resolveram um surto de três anos em Espanha e Portugal causado pela importação de zebras africanas selvagens, diz Carpenter. O vírus não é relatado na Ásia desde uma grande epidemia que terminou em 1961. Essa epidemia se espalhou do Oriente Médio para partes da Índia e levou a centenas de milhares de mortes em equídeos.

A única vacina comercialmente disponível contra a PEA é baseada em uma versão viva e enfraquecida do vírus que às vezes produz sintomas leves e pode até se espalhar para outros cavalos. Ainda assim, erradicou com sucesso surtos anteriores, de acordo com Carpenter. “Não é uma vacina ideal”, diz ele. “Mas não é tão ruim quanto a própria doença.”

O surto na Tailândia pode ter começado no final de fevereiro, com a inexplicável morte de um cavalo de corrida no distrito de Pak Chong, perto de Bangcoc. No final de março, depois das chuvas que podem ter ajudado as populações de midge a florescer, mais de 40 cavalos Pak Chong adicionais foram repentinamente mortos, diz Nuttavadee Pamaroon, veterinária do Departamento de Desenvolvimento de Animais da Tailândia (DLD).

As autoridades veterinárias tailandesas ordenaram o teste de PEA e congelaram imediatamente todos os movimentos dos cavalos. “Não somos apenas nós que fomos trancados por causa do COVID”, diz Pamaroon. “Os cavalos estão agora trancados também.”

No entanto, alguns cavalos infectados já haviam saído da zona de surto. Em 10 de abril, sua última atualização oficial, o DLD registrou 192 mortes de cavalos em 37 fazendas de corrida, esporte e lazer. Mas, de acordo com uma fonte que trabalha em estreita colaboração com o DLD que falou sob condição de anonimato, um total de 302 mortes foram declaradas a autoridades em 14 de abril e os números ainda estão aumentando.

As autoridades veterinárias estão solicitando testes e vacinação de cavalos livres de doenças em uma zona a 50 quilômetros do local do surto inicial, diz Pamaroon. Como a vacina pode criar surtos próprios, cada cavalo vacinado deve ser mantido sob “redes individuais estritas”, diz Siraya Chunekamari, veterinária equina de Bangkok que trabalha com o DLD para gerenciar o surto.

O primeiro lote de aproximadamente 4000 doses da vacina estava programado para chegar na segunda-feira passada em Bangkok, afirmaram autoridades na semana passada. No entanto, fontes locais dizem que ainda estão aguardando a vacina, com entrega prevista para quinta ou sexta-feira.

Agora, o governo está oferecendo subsídios para testes e vacinas contra a PEA, aliviando os encargos financeiros para os proprietários já afetados pelos efeitos econômicos da pandemia de coronavírus, diz Nopadol Saropala, médico que também administra uma empresa que oferece passeios a cavalo em Pak Chong. Saropala, que perdeu 17 cavalos para a AHS até agora, diz que ingressou na força-tarefa da DLD na semana passada, representando os proprietários do setor. “Muitos de nós já possuímos redes mosquiteiras, mas as mosquiteiras têm apenas um milímetro de comprimento, então tivemos que colocar uma rede tão firmemente tecida que até a luz mal passava”, diz ele.

Os proprietários querem que o governo fale sobre como o surto começou, diz Saropala. Os importadores da Zebra podem ter se beneficiado de brechas na biossegurança que lhes permitiram trazer os animais para a Tailândia de maneira relativamente liberal – um forte contraste com as quarentenas e inspeções exigidas para a importação de cavalos. “Sabemos que zebras foram importadas da África recentemente”, diz ele. “Estou pedindo ao DLD dados oficiais, mas eles continuam se arrastando.”

A legislação aprovada há duas semanas conspicuamente coloca as zebras sob jurisdição de DLD para o controle de surtos de doenças, mas o governo permanece de boca fechada com relação aos registros de importação de zebra e resultados de testes. “Estamos testando populações de zebra e, no momento, a investigação está em andamento”, diz Pamaroon.

As zebras importadas são uma fonte plausível para o surto. Os mosquitos não transmitem o vírus através de cadáveres, carne ou couro, diz o sargento, e eles não foram documentados transportando o vírus por via aérea mais de 150 quilômetros em terra ou 700 quilômetros em água.

A Tailândia agora perdeu seu status de livre de doença por PEA junto à Organização Mundial de Saúde Animal, o que significa que deve interromper suas importações e exportações de espécies equinas, selvagens e domésticas. Levará pelo menos 2 anos para solicitar novamente o status de livre de doença.

Fonte: Science Mag                  

Crédito da imagem de capa WIPAWAN PAWITAYALARP

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.