Pesquisadores do Instituto Max Planck demonstraram uma nova maneira intrigante de combater o câncer, introduzindo fibras moleculares nas células. Embora inofensivas para as células saudáveis, uma vez que essas fibras encontram o ambiente específico das células cancerosas, elas se agrupam em teias, ativando a sequência de autodestruição do tumor.

Atualmente, nossas melhores armas contra o câncer são a radiação e a quimioterapia e, embora sejam razoavelmente eficazes, ambas agem mais como um tiro de espingarda do que como um atirador de elite, prejudicando células saudáveis ​​ao mesmo tempo. Isso causa todos os tipos de efeitos colaterais à saúde do paciente.

Como tal, uma avenida chave da pesquisa do câncer envolve encontrar maneiras de direcionar especificamente os tumores sem prejudicar as células saudáveis ​​ao seu redor. Uma das melhores maneiras de fazer isso é aproveitar o ambiente único dentro das células cancerosas, e é isso que o novo estudo tentou fazer.

“No tecido canceroso, o ambiente é muito mais ácido do que no tecido normal”, diz David Ng, principal pesquisador do estudo. “Além disso, moléculas oxidativas muito mais altamente reativas são encontradas dentro das células cancerosas devido ao aumento da atividade metabólica do câncer – e nós aproveitamos isso.”

Para isso, a equipe criou fibras moleculares que teoricamente seriam introduzidas no corpo do paciente, entrando em células saudáveis ​​e cancerosas. Essas fibras são feitas de sequências de peptídeos que se clivam e se conectam em diferentes padrões com base no ambiente que encontram. Embora inofensivos para as células saudáveis, eles se tornam letais quando encontram as características que marcam o tecido canceroso – acidez e moléculas oxidativas mais reativas.

Uma vez expostas a esse ambiente, as fibras começam a se juntar, formando uma estrutura semelhante a uma teia que cresce dentro da própria célula cancerosa. A equipe afirma que essas teias são estáveis ​​o suficiente para deformar fisicamente a célula, a ponto de desencadear a morte celular programada.

Os pesquisadores apontam que esse método deixa as células saudáveis ​​sozinhas e ataca o câncer de uma forma contra a qual ele não consegue se defender. Isso contorna um problema comum com ataques químicos, aos quais muitos tumores desenvolvem resistência.

Em testes com culturas de células cancerosas em laboratório, a equipe demonstrou que o método foi capaz de matar os tumores em cerca de quatro horas.

Ainda é muito cedo para as pesquisas, com o método ainda a ser testado em animais, quanto mais em humanos. Enquanto isso, a equipe está trabalhando para tornar o processo mais preciso e desenvolver uma maneira de degradar as teias depois que as células cancerosas morreram.

A pesquisa foi publicada no Journal of the American Chemical Society .

Fonte: Instituto Max Planck

Sobre a imagem de capa: Uma representação artística de células cancerosas com uma “teia” crescendo dentro delas / Instituto Max Planck de Pesquisa de Polímeros

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.