Embora um tumor cerebral possa se revelar por meio de sintomas como dores de cabeça irregulares, náuseas ou dificuldade de fala, geralmente esses sintomas não aparecem até que a doença esteja bem avançada. Isso torna o diagnóstico precoce complicado, embora isso possa levar a resultados muito melhores para os pacientes. Cientistas da Universidade de Nagoya, no Japão, demonstraram como isso poderia ser alcançado por meio de um simples teste de urina, que mostrou alta precisão em experimentos iniciais.

Junto com os exames de sangue, os exames de urina estão se transformando em uma tecnologia empolgante quando se trata de um diagnóstico de câncer não invasivo e eficiente. Ao escanear essas amostras de fluido em busca de biomarcadores que se correlacionem com a doença, os cientistas mostraram como eles podem ser capazes de detectar o câncer muito antes do aparecimento dos sintomas clínicos típicos. Esses estudos têm se mostrado particularmente promissores quando se trata de câncer de bexiga , próstata , pâncreas e até mesmo de pulmão .

A equipe da Universidade de Nagoya tem procurado expandir essas possibilidades para o câncer de cérebro, com a ajuda de material genético chamado microRNA. Descobertos pela primeira vez em 1993, esses são filamentos curtos de RNA não codificador que desempenham um papel importante na expressão gênica e podem assumir formas únicas quando produzidos por células cancerosas no corpo.

Os cientistas procuraram explorar isso desenvolvendo um novo dispositivo equipado com 100 milhões de nanofios de óxido de zinco que foi capaz de extrair grandes quantidades de microRNA de amostras de urina tão pequenas quanto um mililitro de volume. As amostras foram coletadas de pacientes com tumores cerebrais e um grupo de controle de pacientes sem câncer, com a análise da equipe revelando que muitos microRNAs derivados de tumores cerebrais podem ser encontrados na urina em condições estáveis.

“A biópsia líquida à base de urina não foi totalmente investigada para pacientes com tumores cerebrais, porque nenhuma das metodologias convencionais pode extrair microRNAs da urina de forma eficiente em termos de variedades e quantidades”, explica o autor do estudo, Professor Atsushi Natsume. “Então, decidimos desenvolver um dispositivo capaz de fazer isso.”

Para explorar ainda mais o potencial de seu teste de urina, os cientistas analisaram os perfis de expressão do microRNA coletado e, em seguida, os usaram para construir um modelo de diagnóstico. Esse modelo foi então usado para distinguir os pacientes com câncer no cérebro do grupo de controle com uma sensibilidade de 100 por cento e especificidade de 97 por cento, com a malignidade e o tamanho dos tumores sem influência nos resultados.

Os cientistas imaginam que, com mais trabalho, esse tipo de tecnologia pode oferecer uma ferramenta valiosa no rastreamento não apenas de tumores cerebrais, mas também de outros tipos de câncer.

“No futuro, por uma combinação de inteligência artificial e telemedicina, as pessoas serão capazes de saber a presença de câncer, enquanto os médicos serão capazes de saber o estado de pacientes com câncer apenas com uma pequena quantidade de sua urina diária”, diz Natsume .

A pesquisa foi publicada na revista ACS aplicada Materials & Interfaces .

Fonte: Universidade de Nagoya

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.