Tosse, dor de garganta e fadiga são mais comuns em pessoas com teste positivo para a nova variante do coronavírus, mas a perda do paladar ou do olfato é menos provável, descobriu um estudo.

O site do NHS lista os sintomas como temperatura alta, nova tosse contínua e perda ou alteração do olfato ou paladar.

A maioria das pessoas infectadas com o vírus desenvolve pelo menos um desses sintomas.

A mudança nos sintomas pode ser causada pelo fato de a variante ser mais infecciosa e se espalhar mais rápido no corpo do que as variantes mais antigas, embora o impacto total de muitas mutações na nova variante seja desconhecido.

De acordo com a pesquisa, aqueles infectados com a nova variante relataram mais sintomas em geral, embora a perda do paladar e do olfato fossem menos prováveis ​​do que com as variantes mais antigas. Os relatos de tosse aumentaram de cerca de 27% para 35% dos infectados, com fadiga, dores musculares e dor de garganta também aumentando significativamente.

Cientistas do Grupo de Aconselhamento sobre Ameaças de Vírus Respiratórios Novos e Emergentes (Nervtag) concluíram na semana passada que a nova variante pode aumentar a taxa de mortalidade da Covid em 30% a 40%, embora alguns especialistas tenham dito que é muito cedo para avaliar se é mais mortal.

A razão para o aumento da letalidade não é clara, mas pode estar ligada a uma mutação chamada N501Y, que permite que o vírus infecte as células com mais facilidade, tornando-o cerca de 50% a 70% mais transmissível.

“A perda do paladar e do olfato foram significativamente menos comuns em novos positivos com variantes compatíveis” do que em variantes mais antigas, afirma a pesquisa do ONS, “enquanto outros sintomas eram mais comuns em novos positivos com variantes compatíveis”. Não houve evidência de diferenças nos sintomas gastrointestinais, falta de ar ou dores de cabeça, descobriu a pesquisa.

Duas outras variantes – uma da África do Sul e outra do Brasil – também estão circulando, embora em níveis inferiores.

A análise do ONS examinou os sintomas relatados por pessoas até uma semana antes do teste positivo para a nova variante do coronavírus, em comparação com os testes positivos para a variante antiga.

Eles foram testados durante dois meses entre meados de novembro e meados de janeiro.

Os resultados dos testes compatíveis com a nova variante aparecem como positivos para dois genes, em vez de três para a outra variante.

Em um grupo de cerca de 3.500 pessoas com a nova variante:

35% disseram que tiveram tosse
32% tinham fadiga
25% tinham dores musculares e dores
21,8% tiveram dor de garganta
Em um grupo de 2.500 pessoas com a versão antiga:

28% teve uma tosse
29% tinham fadiga
21% tiveram dores musculares e dores
19% tiveram dor de garganta
O estudo descobriu que 16% das pessoas com a nova variante perderam o sentido do paladar, enquanto 15% perderam o olfato.

Isso foi um pouco menor do que o relatado por pessoas com a variante antiga (18% para ambas).

Não houve diferença nos níveis de dores de cabeça, falta de ar ou diarreia e vômitos em ambos os grupos.

BBC

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.