Um procedimento cirúrgico que foi realizado no Hospital Beilinson em Israel pode mudar a maneira como os cânceres são tratados.

Para a operação, o pulmão de um homem foi removido, limpo de tumores cancerígenos e recolocado de volta – ( relato dos profissionais envolvidos)  algo que só foi feito algumas vezes na história.

O paciente, com cerca de 40 anos, foi hospitalizado após um tumor no pulmão esquerdo bloquear a artéria principal, levando ao seu colapso.
Após a admissão no Centro Médico Rabin, em Petah Tikva, os médicos originalmente pensaram que seu pulmão precisaria ser ressecado enquanto ele embarcava na estrada perigosa de esperar por um transplante.

No entanto, o novo procedimento tem o benefício de não apenas evitar os anos de deterioração que os pacientes, que precisam de transplante de pulmão, têm que suportar antes que um doador adequado seja encontrado, mas também os evita os estragos da quimioterapia.

Uma grande equipe de cirurgiões, anestesiologistas e técnicos foi preparada e participou da cirurgia, que requer várias horas e é extremamente complexa.

“Se tivéssemos simplesmente cortado o pulmão sozinho, aguardando um transplante, a condição do paciente continuaria com risco de vida”, disse Yuri Faischowitz, diretor da Unidade de Cirurgia Cardiotorácica de Beilinson, ao Dr. Itai Gal, ao Ynet News.

Lung Cancer X Ray CC James Heilman MD via Wikipedia Commons - Tratamento médico revolucionário em Israel: um pulmão foi removido do corpo de um paciente com câncer, limpo e devolvido

Durante a operação, o homem continuou a respirar pelo pulmão bom enquanto o outro era desconectado, limpo do tumor e reconectado após inflá-lo como uma maneira de garantir que ainda estivesse funcionando e que o tecido ainda estivesse saudável.

“O novo método pode mudar a maneira como os pacientes tratam o câncer no mundo”, diz o professor Dan Arav, que participou da cirurgia junto com Faischowitz. E pode ser aplicado a outros órgãos e outras formas de câncer.

O câncer de pulmão é um dos cânceres mais mortais, mas as taxas de mortalidade da doença diminuíram

Fonte: Ynet News

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.