Em 2020, compartilhamos como o tribunal superior da União Europeia manteve a proibição francesa de pesticidas para proteger as abelhas. Agora o tribunal está de volta com outra decisão pró-polinizador, sustentando uma proibição parcial da UE de três inseticidas ligados a abelhas prejudiciais .

A ação, movida pela Bayer, tentou derrubar as restrições de pesticidas, alegando que os pesticidas ainda deveriam ser permitidos em ambientes agrícolas com as restrições apropriadas.

A proibição se aplica a três substâncias ativas, imidacloprida, clotianidina e tiametoxame, todas desenvolvidas por diferentes empresas de produtos químicos agrícolas. As substâncias foram inicialmente restritas em 2013 devido a evidências de que estavam contribuindo para o declínio das colônias de abelhas.

Embora a UE ainda conceda ocasionalmente permissão para uso em situações de emergência, como perda de safra em massa, esta restrição mantida é uma boa notícia para as populações de abelhas europeias.

A Comissão Europeia propôs metas para reduzir o uso de pesticidas em 50 por cento na UE até 2030 para proteger ainda mais as espécies de abelhas.

O que diz a Bayer

Um porta-voz da Bayer disse que ficou desapontado com o veredicto e defendeu a segurança dos produtos, que continuam a ser usados ​​em outras regiões com a aplicação de medidas de mitigação de risco apropriadas.

“O veredicto parece permitir à Comissão (Europeia) quase carta branca para revisar as aprovações existentes sob a menor evidência, que não precisa nem mesmo ser novos dados científicos”, disse o porta-voz.

Em 2013, a Comissão restringiu a utilização de neonicotinóides, o que significa que não podiam ser usados ​​no milho, na colza e em alguns cereais de primavera. Eles ainda podem ser usados ​​para outras culturas, como a beterraba sacarina.

Leia também: O veneno da abelha se mostra “extremamente potente” contra o câncer de mama

A Comissão reviu as aprovações devido à perda de colónias de abelhas devido à utilização indevida de pesticidas.

A Bayer afirmou que não há novos conhecimentos científicos suficientes para justificar as restrições. A mais alta corte da UE negou provimento ao recurso na quinta-feira e ordenou que a Bayer suportasse suas próprias despesas, mais as de outras partes.

“O Tribunal de Justiça reafirmou que a proteção da natureza e da saúde das pessoas tem precedência sobre os estreitos interesses econômicos de multinacionais poderosas”, disse a estrategista jurídica do Greenpeace Andrea Carta.

A Syngenta, de propriedade da Bayer e da ChemChina, avisou que banir os inseticidas significaria que os agricultores voltariam para os produtos químicos mais antigos e pulverizariam mais.

Apesar da proibição, foram concedidas 206 autorizações de emergência para o uso das substâncias na UE entre 2013 e 2019. Os auditores da UE disseram no ano passado que esse uso de pesticida, embora legal, era considerado responsável pelas perdas das abelhas.

Para proteger as abelhas, a Comissão propôs metas para reduzir o uso de pesticidas químicos pela UE em 50% e para reduzir o uso de fertilizantes em 20% até 2030.

Fonte: Greenpeace

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.