A pesquisa ainda está em seus estágios iniciais, mas os cientistas dizem que desenvolveram uma técnica de ultra – som de baixa intensidade que mata células cancerígenas sem danificar células saudáveis.

O ultrassom focalizado já é usado para destruir tumores, com a maioria das abordagens usando feixes de alta intensidade para aquecer e destruir células ou corantes de contraste injetados. Mas ambas as abordagens podem danificar células saudáveis ​​e os corantes de contraste funcionam apenas para uma minoria de tumores.

A nova abordagem – desenvolvida por uma equipe do Instituto de Tecnologia da Califórnia e do Instituto de Pesquisa Beckman da cidade de Hope – explora certas propriedades físicas e estruturais das células tumorais para oferecer um tratamento mais seguro.

Ao reduzir a intensidade do ultrassom e combinar a frequência com as células-alvo, a equipe separou vários tipos de células cancerígenas sem prejudicar as células sanguíneas saudáveis , de acordo com o relatório.

A pesquisa – relatada em 7 de janeiro na revista Applied Physics Letters – é um novo avanço em um campo emergente chamado oncotripsia. Isso visa e mata células cancerígenas com base em suas propriedades físicas.

“Esta é uma emocionante prova de conceito para um novo tipo de terapia contra o câncer que não exige que o câncer tenha marcadores moleculares exclusivos ou que seja localizado separadamente das células saudáveis a ser alvo”, disse o principal autor David Mittelstein,

“Apenas ajustando a frequência da estimulação, vimos uma diferença dramática na forma como o câncer e as células saudáveis reagiram”, explicou ele em um comunicado de imprensa do Instituto Americano de Física. “Ainda há muitas questões a serem investigadas sobre o mecanismo preciso, mas nossas descobertas são muito encorajadoras”.

Mittelstein e seus colegas esperam que suas pesquisas incentivem outras pessoas a estudar oncotripsia como um tratamento contra o câncer que poderia um dia ser usado juntamente com quimioterapia, imunoterapia, radiação e cirurgia.

Fonte: WebMD

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.