Milhares de pessoas estão enfrentando graves problemas pulmonares por causa do vaping, e algumas estão morrendo.

Os cirurgiões não são pessoas melindrosas, então quando um deles diz : “Este é um mal que eu não enfrentei antes”, isso chama sua atenção. O médico é Hassan Nemeh, diretor cirúrgico de transplante de órgãos torácicos no Hospital Henry Ford de Detroit. O mal é a destruição impressionante que o vaping fez dos pulmões de um paciente de transplante de pulmão duplo de 17 anos.

“O que eu vi em seus pulmões não era nada do que eu já tinha visto antes, e eu faço transplantes de pulmão há 20 anos”, diz Nemeh. Que o vaping, particularmente de produtos de cannabis usando óleos de THC, se tornou uma grande crise de saúde pública é indiscutível: desde março, doenças relacionadas ao vaping desembarcaram mais de 2.000 indivíduos em hospitais em todo o país e pelo menos 39 dessas pessoas morreram.

O PACIENTE EM DETROIT

Não foram divulgadas muitas informações sobre o indivíduo descrito por Nemeh, já que ele é menor de idade. O que sabemos é que sua família o descreveu como um jovem atleta saudável.

O adolescente foi internado no primeiro de três hospitais, St. John Hospital, em 5 de setembro com o que parecia ser uma pneumonia. Sua respiração, no entanto, tornou-se cada vez mais difícil até que ele foi colocado em um ventilador em 12 de setembro. Ele logo foi transferido para o Hospital Infantil de Michigan para ser conectado a um dispositivo de oxigenação por membrana extracorpórea (ECMO) para manter o funcionamento do coração e do pulmão. Ainda falhando, ele foi transferido para Henry Ford para um transplante de pulmão duplo de seis horas em 15 de outubro, sem o qual, dizem os médicos, ele certamente teria morrido.

“Havia uma enorme quantidade de inflamação e cicatrizes, além de vários pontos de tecido morto. E o pulmão em si estava tão firme e cheio de cicatrizes que literalmente tivemos que tirá-lo do peito”, lembra Nemeh.

ACETATO DE THC E VITAMINA E

Quando a comunidade médica tomou conhecimento dos problemas pulmonares, não estava claro qual aspecto do vaping os estava causando. Da mesma forma, não ficou claro se era o tabaco ou o vaping de THC que estava causando os problemas, ou ambos.

Cientistas do CDC testaram a presença de possíveis culpados no fluido pulmonar das vítimas, procurando óleos vegetais, destilados de petróleo, incluindo óleos minerais ou quaisquer outros contaminantes suspeitos comuns aos casos dos indivíduos.

O que eles descobriram – embora ainda possa haver substâncias adicionais envolvidas – foi acetato de vitamina E, ou acetato de tocoferol. Coletando 29 amostras de fluido pulmonar de 29 pessoas que ficaram doentes ou que morreram de problemas pulmonares, todas as 29 continham acetato de vitamina E. O Dr. Jim Pirkle, do CDC, diz que isso é “praticamente inédito” e constitui um “sinal muito forte” de que o acetato de vitamina E é, pelo menos, parte do motivo dos danos pulmonares dos vapers.

Os funcionários do CDC concluíram que a maioria dos pacientes havia vaporizado produtos à base de cannabis. Isso é apoiado por testes estaduais – os relatórios de Nova York encontraram “níveis muito altos de acetato de vitamina E em quase todas” as amostras de vapers de cannabis que eles testaram. Embora o FDA federal permaneça cauteloso em colocar toda a culpa no acetato de vitamina E, eles também descobriram que é prevalente nos pulmões dos vapers afetados. As autoridades médicas continuam testando outros possíveis fatores na frequência de doenças pulmonares entre os vapers.

Os produtos vaping à base de cannabis fabricados e vendidos legitimamente não contêm necessariamente acetato de vitamina E. No entanto, a substância pegajosa semelhante ao mel é comumente usada como espessante em produtos de THC do mercado negro. Ao contrário do próprio THC, o acetato de vitamina E permanece nos pulmões dos usuários. Esses produtos vaping não regulamentados e ilícitos à base de cannabis, dizem os especialistas, estão de fato ligados à maioria dos casos que os profissionais médicos estão vendo.

“Esta é uma tragédia evitável”, diz Nemeh. Embora o vaping seja presumido por muitos como mais seguro do que fumar, essa atual crise de saúde pública deixa claro que é aconselhável cautela, especialmente ao comprar produtos vaping na rua.

Big Think

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.