Como a primeira onda de vacinas COVID-19 está sendo administrada em muitos outros países, surgiram questões sobre se o consumo de álcool afetará as respostas imunológicas das pessoas à vacina.

Especialistas no Reino Unido alertaram recentemente que as pessoas devem evitar o consumo de álcool nos dias anteriores e posteriores apos receber a vacina COVID-19. “Você precisa ter seu sistema imunológico funcionando perfeitamente para ter uma boa resposta à vacina, então se você estiver bebendo na noite anterior ou logo depois, isso não vai ajudar”, Sheena Cruickshank , imunologista da Universidade de Manchester, disse ao Metro do Reino Unido .

Um agente de saúde russo foi ainda mais longe no mês passado e aconselhou os cidadãos vacinados com a vacina Sputnik V do país que deveriam se abster de álcool por dois meses.

No entanto, o desenvolvedor da vacina, Alexander Gintsburg,  comentou mais tarde que esse conselho é muito extremo. Por meio de um tweet da conta do Sputnik V , Gintsburg aconselhou evitar o álcool três dias após cada injeção, orientação que ele diz se aplica a todas as vacinas.

Especialistas nos Estados Unidos, entretanto, dizem que, para pessoas que não usam álcool em excesso, isso provavelmente é desnecessário.

“Não há necessidade de se abster de álcool após qualquer dose da vacina COVID-19”, disse o Dr. Sandro Cinti, especialista em doenças infecciosas da Michigan Medicine. “Não há nenhuma evidência ou orientação do CDC para sugerir que isso precisa ser feito.”

Embora o consumo excessivo de álcool seja uma preocupação para a saúde em geral, os indivíduos não são solicitados a se abster de beber quantidades moderadas ou casuais de álcool antes de serem vacinados, diz a Dra. Hana El Sahly, professora associada de virologia molecular e microbiologia e medicina do Baylor College of Medicina e um dos co-presidentes nacionais do ensaio da vacina Moderna COVID-19.

“O consumo de álcool não foi avaliado como uma variável no grande ensaio clínico de Fase 3”, disse ela à Healthline. “Não esperamos que a ingestão ocasional ou moderada de álcool afete a resposta à vacina. E não estamos pedindo aos sujeitos ou ao público em geral que se abstenham de álcool na hora da vacinação. ”

Por que você deve evitar o uso excessivo de álcool perto do momento da vacinação

Mas Christopher Thompson, professor associado do Departamento de Biologia da Loyola University Maryland, especializado em imunologia e microbiologia, alerta que o uso excessivo de álcool deve ser evitado na época da vacinação.

Ele observa que, embora não haja dados específicos ainda sobre o álcool e a vacina COVID-19, “a maioria dos dados disponíveis sobre como o álcool afeta o sistema imunológico e as respostas à vacina sugere que, em geral, as pessoas devem evitar o consumo excessivo de álcool por perto a hora da vacinação ”, disse. “Idealmente, isso seria evitado por pelo menos uma semana antes da primeira dose e um mês após a segunda dose.”

Os Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) definem consumo excessivo de álcool como o consumo de cinco ou mais bebidas alcoólicas ocasionalmente para homens e quatro ou mais bebidas alcoólicas para mulheres.

“Especialmente com o consumo excessivo de álcool, o sistema imunológico não funciona tão bem quanto deveria”, disse Thompson. “Vemos desregulação funcional de muitas células imunológicas, ao mesmo tempo que observamos um aumento na inflamação e nas moléculas pró-inflamatórias em todo o corpo.”

Pesquisa de álcool também mostraram que o álcool pode causar inflamação no intestino e alterar a composição do microbioma, potencialmente danificando os microorganismos que mantêm a saúde do sistema imunológico.

O uso excessivo de álcool também está associado a vários outros problemas de saúde, incluindo um risco aumentado de doenças cardíacas, câncer e doenças hepáticas.

Coronavac e Astrazeneca

De acordo com a Sociedade Brasileira de Imunizações, não há nenhuma restrição sobre o uso de álcool, nem antes ou depois da aplicação das vacinas Coronavac e Astrazeneca. Entretanto, o uso crônico ou abusivo de bebidas alcoólicas podem enfraquecer o sistema imunológico e aumentar o risco de infecções.

“Se você beber álcool em grande quantidade vai sim afetar o sistema imunológico naquele período das 48 horas após uso e pode interferir na resposta da vacina. A gente não tem como garantir se altera ou não, mas existe essa possibilidade forte porque ele altera bastante a imunidade”, informou a infectologista Elna Amaral.

Por isso, o médico Thyberio Giorgy orientou que, caso o paciente esteja prestes a ser imunizado, que evite o consumo de álcool.

“Aconselho a todos os pacientes que vão se imunizar que eles recuem um pouco nessa prática. O paciente precisa estar bem, precisa estar equilibrado fisiologicamente. Ele precisa estar hidratado e bem nutrido. Isso são pontos fundamentais para quem bebe pois, geralmente, essa pessoa não come bem, não se hidrata bem, na verdade, se desidrata por excelência porque o álcool faz isso”, explicou o especialista.

 

Beber moderadamente pode trazer alguns benefícios

Por outro lado, em alguns estudos, o consumo moderado de álcool (até um drinque por dia para mulheres e até dois drinques por dia para homens) demonstrou melhorar a resposta de uma pessoa às vacinas.

“Bebedores moderados tendem a mostrar melhor produção de anticorpos e respostas de células T citotóxicas (CD8)”, disse Thompson. “Além disso, o consumo moderado de álcool pode aumentar a quantidade de citocinas antivirais ou pequenos mensageiros químicos que ajudam a coordenar a resposta imunológica.”

No entanto, ele observou que os pesquisadores não sabem se essas pequenas melhorias são de curto prazo ou de longa duração.

O resultado final, disse Thompson, é que para as pessoas que raramente bebem ou bebem com moderação, não há necessidade – de uma perspectiva imunológica – de mudar muito do que estão fazendo ao receber a vacina COVID-19.

“Um copo de vinho ou uma cerveja aqui e ali não deve prejudicar a maioria das respostas à vacina e, de fato, pode melhorar um pouco a resposta”, disse ele. “Dito isso, provavelmente é melhor estar bem hidratado no dia da vacina e por alguns dias depois para ajudar a lidar com os efeitos colaterais leves que a maioria das pessoas experimenta.”

 

Fontes de referências: Healthline / G1

 

 

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.