O Instituto Butantan publicou resultados de testes de uma vacina contra a dengue que está em desenvolvimento há mais de 10 anos. De acordo com o laboratório, num artigo na revista científica Human Vaccines & Immunotherapy, a vacina induziu a produção de anticorpos em 100% das pessoas que ja sofreram infecção por dengue e em mais de 90% das pessoas que nunca foram expostas ao vírus.

Isso é o que revela um novo estudo, de fase 1, publicado por pesquisadores da farmacêutica Merck, parceira do instituto brasileiro. Os achados foram publicados no último dia 15 de março na revista científica Human Vaccines & Immunotherapeutics. A vacina vem sendo desenvolvida em parceria com o Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos (NIAID).

Os resultados do estudo de fase 2 ja haviam sido publicados na revista The Lancet Infectious Diseases em março de 2020. O estudo da nova vacina contra a dengue, que entrou em sua terceira fase em 2016 com 17 mil voluntários, está agora em fase de acompanhamento – os voluntários serão avaliados por um período de cinco anos.

Vacina contra dengue

Os resultados mostram que a vacina protege contra a infecção por dengue em pessoas que nunca foram expostas ao vírus. Além disso, a segunda dose não aumentou significativamente a proteção. “A análise randomizada incluiu 200 adultos que receberam duas doses do agente imunizante ou placebo para avaliar a capacidade da segunda dose de produzir anticorpos. Após a primeira dose, as taxas de soroconversão foram de 100% naqueles que foram infectados com dengue, mas não naqueles que nunca foram infectados com dengue. A taxa de soroconversão nos infectados foi de 92,6%. As doses adicionais não causaram diferença significativa, confirmando que uma única dose foi suficiente para gerar uma resposta imune contra a doença”, disse Butantan .

Não foram registrados efeitos colaterais graves. A reações para alguns participantes incluíram dor de cabeça, fadiga e dores musculares. A proteção foi medida durante um ano e meio e continuou alta em todos os participantes ao fim desse período. A previsão é que a pesquisa seja concluída até 2024.

No Brasil, a vacina disponível contra a dengue é a Dengvaxia, fabricada pelo laboratório francês Sanofi Pasteur. O imunizante é vendido na rede privada na maior parte do Brasil e não está disponível no Programa Nacional de Imunizações, o PNI.

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Dengvaxia não deve ser tomada por quem nunca teve a doença. A agência regulatória entende que o imunizante é considerado seguro apenas para aqueles que já foram infectados pelo vírus pois estudos preliminares indicaram formas mais graves da doença após a aplicação da vacina em pessoas que não haviam tido um contato prévio com o vírus.

Em 2018, a Organização Mundial da Saúde, a OMS, também recomendou que a imunização ocorra apenas quando houver a confirmação de que o paciente já foi exposto ao vírus.

Informações do G1

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.