Pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) estudam uma vacina contra o coronavírus aplicada no nariz por spray, adaptando um modelo de imunização concebido para hepatite B em camundongos.

A expectativa é que, através da administração da substância dentro das narinas, o corpo produza a imunoglobulina A, anticorpos presentes na saliva, na lágrima e em superfícies do trato respiratório, entre outros locais do organismo.

A nanopartícula terá uma propriedade muco-adesiva, ou seja, o material permanecerá nas narinas de três a quatro horas após ser absorvido e, assim, ativa a resposta imune, evitando que seja expelido por meio de espirros.

“Além de inibir a entrada do patógeno na célula, a vacina impedirá a colonização deles no local da aplicação”, explicou o coordenador do levantamento, o veterinário Marco Antonio Stephano, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP, em entrevista ao Jornal da USP.

Segundo Stephano, a imunização nasal é vantajosa, especialmente para crianças e idosos, porque, ao contrário das vacinas injetáveis, não é invasiva e tem menos reações ou efeitos colaterais. Os protótipos devem ficar prontos em três meses, quando será possível iniciar a testes em animais.

Para garantir a imunização, serão necessárias quatro doses — duas em cada narina, a cada 15 dias. O projeto também conta com pesquisadores da Unicamp. Estima-se que o produto seja repassado ao público a um custo de R$ 100.

Fonte: Jornal da USP

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.