A primeira avaliação da variante brasileira do COVID-19, recentemente identificada no Reino Unido, mostra que ela pode se espalhar mais facilmente – e escapar do sistema imunológico.

Cientistas do Brasil e do Reino Unido estimam que a variante, conhecida como P1, seja 1,4 a 2,2 vezes mais transmissível do que as versões anteriores do coronavírus que circulam em Manaus, cidade amazônica onde se originou.

Também é capaz de escapar entre 25% e 61% da imunidade protetora de infecção anterior, segundo pesquisadores do Imperial College London e da Universidade de São Paulo.

O estudo não foi revisado por pares.

Quase 70% da população de Manaus tinha imunidade da primeira onda de infecções por COVID no passado, mas uma onda de reinfecções no início deste ano fez com que os hospitais da cidade ficassem sobrecarregados.

Seis casos da variante P1 no Reino Unido foram identificados em pessoas que retornaram recentemente do Brasil.

Três casos foram identificados na Escócia, com outros dois em South Gloucestershire, na Inglaterra.

E um caso ainda não foi rastreado.

Os pesquisadores estão cautelosos ao prever o que poderia acontecer com a nova variante no Reino Unido.

A professora Sharon Peacock, que dirige o COG-UK, que analisa a composição genética das variantes, alertou que as descobertas não devem ser generalizadas para outras cidades.

Ela disse que o estudo é “uma excelente evidência das propriedades biológicas”, mas acrescentou que não está claro “como isso vai se desenvolver” no Reino Unido.

A variante P1 compartilha a mesma mutação N501Y da versão Kent do vírus, que agora é dominante no Reino Unido.

Mas para a variante P1 ultrapassar a cepa residente no Reino Unido, seria necessária alguma vantagem competitiva.

O estudo sugere que as infecções tiveram entre 10% e 80% mais chances de resultar em mortalidade depois que a variante P1 começou a se espalhar em Manaus.

Mas eles não podem ter certeza se isso aconteceu porque o vírus era mais letal ou porque as pessoas lutavam para conseguir atendimento médico.

O Dr. Thomas Mellan, do MRC Center for Global Infectious Disease Analysis no Imperial College, disse: “Havia uma falta de oxigênio e havia uma mortalidade com isso. Não podemos separar isso dos efeitos da doença.”

A variante P1 demorou um pouco para se espalhar para fora de Manaus, apesar de os voos continuarem operando a partir da cidade.

A professora Ester Sabino, especialista em doenças infecciosas da Universidade de São Paulo, disse que isso é um bom presságio para as chances do Reino Unido de conter a infecção.

Ela disse: “Você precisa de muitas introduções do vírus para iniciar uma epidemia. Seis é muito pouco.

“Houve voos de Manaus para São Paulo em dezembro, mas nenhum caso. Não é fácil semear.

“Com o rastreamento do contato, o risco [no Reino Unido] diminuirá.”

Separado do estudo, o professor Christophe Fraser, epidemiologista da Universidade de Oxford, disse que a variante P1 “pode ​​reinfectar pessoas que foram infectadas naturalmente”.

“Em Manaus … aquela população teve uma taxa de infecção incrivelmente alta na primeira onda, e ainda assim foi reinfectada”, disse ele à Sky News na terça-feira.

“O que não sabemos é o grau de proteção que as vacinas oferecem contra essa cepa.

“Temos muitos dados que sugerem que devemos estar um pouco preocupados com a possibilidade de que possa se espalhar.

“Achamos, provavelmente, que ela [a vacina] provavelmente reduziria a taxa de hospitalização ou morte, mas há o suficiente para se preocupar.

“No longo prazo, pode ser que tenhamos que atualizar as vacinas, mas realmente não queremos atualizar as vacinas antes do verão.

“Precisamos que as taxas de infecção permaneçam baixas durante o verão, então realmente precisamos conter intensamente o surgimento dessas novas variantes.”

Testes aumentados – incluindo testes assintomáticos – e rastreamento de contato aprimorado foram introduzidos em South Gloucestershire após a descoberta dos dois casos da variante P1.

Mas as autoridades locais de saúde pública disseram que o risco para a comunidade local foi considerado “muito baixo” e as medidas eram “preventivas”.

Como parte da busca pelo terceiro caso não identificado da variante P1 na Inglaterra, qualquer pessoa que fez um teste em 12 e 13 de fevereiro e não recebeu um resultado, ou tem um cartão de registro de teste incompleto, está sendo convidado a se apresentar imediatamente.

E já estão em andamento movimentos para entrar em contato com passageiros do voo LX318 da Swiss Air, de São Paulo por Zurique a Londres Heathrow no dia 10 de fevereiro.

O primeiro-ministro Boris Johnson defendeu a ação do governo para impedir a importação de novas variantes de COVID do exterior, depois que o Trabalhismo acusou o governo de ser muito lento para introduzir medidas de fronteira mais duras.

Os três casos escoceses foram encontrados em passageiros assintomáticos que voaram para Aberdeen no vôo BA1312 de Londres Heathrow na sexta-feira.

Eles testaram positivo enquanto o auto-isolamento e o rastreamento de contato de outros passageiros no voo estão em andamento.

O governo escocês disse que “não há razão para acreditar” que a variante P1 esteja em circulação na Escócia.

Fonte: G1

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.