O Vaticano diz que é “moralmente aceitável” receber uma vacinação para COVID-19, mesmo que a pesquisa ou produção da vacina envolva linhagens celulares derivadas de fetos abortados, dado o “grave perigo” da pandemia.

A Congregação para a Doutrina da Fé, o escritório do Vaticano encarregado de promover e defender a moral e as tradições da Igreja, disse em um documento divulgado na segunda-feira que “quando as vacinas Covid-19 eticamente irrepreensíveis não estão disponíveis … é moralmente aceitável receber Covid -19 vacinas que usaram linhagens celulares de fetos abortados em seu processo de pesquisa e produção. ”

O Papa Francisco aprovou o texto na quinta-feira, informou o Vaticano News .

O comunicado afirma que “todas as vacinas reconhecidas como clinicamente seguras e eficazes podem ser utilizadas em sã consciência, com a certeza de que o uso de tais vacinas não constitui cooperação formal com o aborto do qual derivam as células utilizadas na produção das vacinas. deve-se ressaltar, entretanto, que o uso moralmente lícito desses tipos de vacinas, nas condições particulares que o tornam, não constitui por si só uma legitimação, mesmo que indireta, da prática do aborto, e necessariamente pressupõe a oposição a esta. prática por quem faz uso dessas vacinas. ”

A Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos divulgou seu próprio comunicado na semana passada, que dizia: “Em vista da gravidade da atual pandemia e da falta de disponibilidade de vacinas alternativas, as razões para aceitar as novas vacinas COVID-19 da Pfizer e Moderna são suficientemente sério para justificar seu uso “, visto que considerava a conexão dessas vacinas com o aborto” muito remota “.

A conferência dos Estados Unidos disse que receber uma das vacinas “deve ser entendido como um ato de caridade para com os outros membros de nossa comunidade” e “considerado um ato de amor ao próximo e parte de nossa responsabilidade moral pelo bem comum”.

A declaração do Vaticano não citou por nome nenhuma vacina COVID-19 agora em uso ou desenvolvimento.

Células derivadas de abortos eletivos têm sido usadas na fabricação de vacinas desde 1960, relatou a revista Science , “incluindo vacinas atuais contra rubéola, catapora, hepatite A e herpes zoster. Elas também têm sido usadas para fazer medicamentos aprovados contra doenças, incluindo hemofilia, artrite reumatoide e fibrose cística. ”

Fonte: CNN NEWS

 

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.