Pugs, buldogues, boxers e raças de cães semelhantes, de focinho achatado, são populares hoje em dia por causa de suas personalidades fofas, rostos cativantes, ainda que estranhos, e por serem os animais de estimação de muitos atores e cantores famosos.

No entanto, há algo terrível por trás dessa tendência. Muitos destes cães sofrem de problemas de saúde devido à sua genética.

A British Veterinary Association (BVA) está fazendo campanha para aumentar a conscientização sobre as questões que os animais braquicéfalos enfrentam como resultado de sua criação. Braquicefalia refere-se a um formato curto do crânio, que dá a aparência de um rosto achatado. Pode afetar cães, gatos, coelhos e outras espécies animais.

Nos últimos dez anos, houve um rápido aumento no número de raças braquicéfalas no Reino Unido. A BVA está preocupada que este aumento nos números esteja levando a um aumento populacional de doenças e comprometimento do bem-estar nesses tipos de raças.

Esses problemas incluem:

1 – Distúrbios respiratórios

• Defeitos anatômicos das vias aéreas superiores, causando dificuldades respiratórias, muitas vezes associados a superaquecimento, apneia do sono e regurgitação, por exemplo. Síndrome da Via Aérea Obstrutiva Braquicefálica.

2. Problemas dentários

A reprodução seletiva encurtou as mandíbulas superiores desses cães. Isso enche a boca e aumenta o risco de doenças das gengivas e cavidades.

3. desordens da pele

Dobras profundas e rugas nos rostos dos cães, uma de suas características mais icônicas e adoráveis, causam infecções bacterianas e fúngicas.

4 – Condições dos olhos

A forma da cabeça e os olhos arregalados colocam essas raças em risco de distúrbios oculares, como úlceras. Além disso, os cães braquicefálicos não podem piscar adequadamente, o que é prejudicial para a produção de lágrimas. Os cílios e dobras do nariz podem esfregar as bordas dos olhos e danificá-los.

5. Complicações no nascimento

Estes cães são muitas vezes incapazes de dar à luz naturalmente, por isso a maioria dos seus filhotes nascem através de cesarianas. Isso se deve ao tamanho desproporcional da cabeça de seus bebês. Mais de 80% dos cães braquicefálicos, incluindo bulldogs, bulldogs franceses e Boston terriers, nascem através da cesariana.

6 – Ganho de peso

o bicho, ofegante, tem dificuldade para fazer exercícios.

Por que os veterinários não falam nada?

Muitos veterinários não falam sobre o histórico antiético desses cães criados seletivamente, apesar de realizar cirurgias corretivas e organizar planos de tratamento para aliviar seu sofrimento. Simples de dizer: é ruim para os negócios.

“Se eu me levantasse e dissesse a verdade sobre essas raças”, diz um veterinário que prefere permanecer anônimo, “eu imediatamente alienaria [os donos] e eles iriam se mudar para a clínica vizinha onde o veterinário não fosse tão franco . “Os veterinários em geral não podem se dar ao luxo de ser honestos e falar”.

A Associação Veterinária Britânica (British Veterinary Association – BVA) está livre dessa inibição e freqüentemente faz declarações sobre a reprodução e a compra de filhotes de cachorro braquicéfalos.

“O aumento na popularidade desses cães aumentou o sofrimento dos animais e resultou em animais de estimação doentes para os proprietários”, diz Sean Wensley, vice-presidente sênior da BVA, “por isso recomendamos fortemente às pessoas que pensem em escolher uma raça ou cruzamento mais saudável “.

Mestiças vs puros-sangues

Para o desgosto dos criadores que afirmam que os puros-sangues são naturalmente mais saudáveis do que os híbridos, isso foi desmentido por um estudo em 2013.

Os pesquisadores examinaram os registros médicos de mais de 27.000 cães e compararam a ocorrência de 24 desordens genéticas. Suas descobertas são surpreendentes:

• A incidência de 10 distúrbios foi 42% maior em cães de raça pura.

• A incidência de 1 desordem foi 4% maior em raças mistas.

• Os 13 distúrbios restantes não apresentam diferenças discerníveis entre os cães.

Como proteger os cães braquicefálicos

A Dra. Rowena Packer, do Royal Veterinary College (RVC), sugere que os proprietários em potencial devem estar cientes do custoso compromisso que estarão assumindo quando optam por uma dessas raças de cães de cara achatada. “Eles precisam estar cientes das dificuldades emocionais e financeiras que podem enfrentar a si mesmos e a seus cães por um período de 5 a 10 anos”.

Evite cachorros em material promocional e campanhas

O BVA incentiva as pessoas a enviar mensagens às marcas para remover os cachorros de cara achatada de seus anúncios. É difícil negar os efeitos da mídia, e esses cachorros retratados como fofos e modernos podem aumentar suas vendas e, consequentemente, sua reprodução.

O efeito negativo de celebridades promovendo seus amados animais de estimação pode ser transformado em um positivo, educando seus fãs sobre as complicações de saúde que afetam essas raças.

Espalhe a palavra

“Eles são raças de cães adoráveis, são muito amigáveis e são bons animais de estimação”, diz Fishwick.

“O problema é que muitos deles estão realmente sofrendo, e queremos ter certeza de que as pessoas entendam isso e incentivá-las a pensar em optar por uma versão mais saudável dessas raças, que foram melhoradas para ter uma vida melhor.”

Espalhar a conscientização sobre a situação desses cães pode criar um futuro mais saudável para essas raças amadas.

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.