Obter novas informações pode ser viciante. O estudo descobriu que a aquisição de informação compartilha o mesmo sistema de recompensa que produz dopamina como dos  alimentos, recompensas financeiras e drogas.

Não consegue parar de verificar seu telefone, mesmo quando você não está esperando mensagens importantes? Culpe seu cérebro.

Um novo estudo realizado por pesquisadores da Haas School of Business, da Universidade da Califórnia em Berkeley, descobriu que a informação atua sobre o sistema de recompensa para produção de dopamina no cérebro, da mesma forma que dinheiro ou comida.

“Para o cérebro, a informação é sua própria recompensa, além de ser útil”, disse o Prof. Ming Hsu, um neuro economista cuja pesquisa emprega imagens magnéticas funcionais (fMRI), teoria psicológica, modelagem econômica e aprendizado de máquina. “E assim como nossos cérebros gostam de calorias vazias de junk food, eles podem supervalorizar informações que nos fazem sentir bem, mas podem não ser úteis – o que alguns podem chamar de curiosidade ociosa”.

O artigo “Código neural comum para recompensa e valor da informação” foi publicado este mês pela revista Proceedings of National Academy of Sciences. De autoria de Hsu e do estudante de pós-graduação Kenji Kobayashi, agora um pesquisador de pós-doutorado na Universidade da Pensilvânia, ele demonstra que o cérebro converte informações na mesma escala comum que o dinheiro. Ele também estabelece as bases para desvendar a neurociência por trás de como consumimos informações – e talvez até a dependência digital.

“Nós fomos capazes de demonstrar pela primeira vez a existência de um código neural comum para informação e dinheiro, que abre as portas para uma série de questões interessantes sobre como as pessoas consomem, e às vezes consomem demais, informações”, disse Hsu.

O papel está enraizado no estudo da curiosidade e no que parece dentro do cérebro. Embora os economistas tendam a encarar a curiosidade como um meio para um fim, valioso quando pode nos ajudar a obter informações para obter uma vantagem na tomada de decisões, os psicólogos há muito vêem a curiosidade como uma motivação inata que pode estimular ações por si só. Por exemplo, os fãs de esportes podem verificar as probabilidades em um jogo, mesmo que não tenham intenção de apostar.

Às vezes, queremos saber alguma coisa, só para saber.

“Nosso estudo tentou responder a duas perguntas. Primeiro, podemos reconciliar as visões econômica e psicológica da curiosidade, ou por que as pessoas buscam informações? Segundo, como é a curiosidade dentro do cérebro? ”, Disse Hsu.

Para entender mais sobre a neurociência da curiosidade, os pesquisadores examinaram os cérebros das pessoas enquanto jogavam um jogo de azar. Cada participante recebeu uma série de loterias e precisou decidir quanto estava disposto a pagar para descobrir mais sobre as chances de ganhar. Em algumas loterias, a informação era valiosa – por exemplo, quando o que parecia ser um resultado final revelava-se uma coisa certa. Em outros casos, as informações não valiam muito, como quando pouco estava em jogo.

Na maior parte, os sujeitos do estudo fizeram escolhas racionais com base no valor econômico da informação (ou seja, quanto dinheiro ela poderia ajudá-los a ganhar). Mas isso não explicava todas as suas escolhas: as pessoas tendiam a supervalorizar as informações em geral e, em particular, nas loterias de maior valor. Parece que as apostas mais altas aumentaram a curiosidade das pessoas nas informações, mesmo quando as informações não tiveram efeito sobre suas decisões.

Os pesquisadores determinaram que esse comportamento só poderia ser explicado por um modelo que captasse motivos econômicos e psicológicos para buscar informações. As pessoas adquiriram informações com base não apenas no seu benefício real, mas também na antecipação de seu benefício, independentemente de ter ou não uso.

Hsu disse que é semelhante a querer saber se recebemos uma grande oferta de emprego, mesmo que não tenhamos a intenção de aceitá-la. “A antecipação serve para amplificar a aparência de algo bom ou ruim, e a antecipação de uma recompensa mais prazerosa faz a informação parecer ainda mais valiosa”, disse ele.

Como o cérebro responde à informação? Ao analisar os exames de RMN, os pesquisadores descobriram que as informações sobre as probabilidades dos jogos ativaram as regiões do cérebro que são especificamente conhecidas por estarem envolvidas na avaliação (o córtex pré-frontal do estriado e ventromedial ou VMPFC), que são as mesmas áreas de recompensa que produzem dopamina. O cérebro é ativado por comida, dinheiro e muitas drogas. Este foi o caso se a informação foi útil e mudou a decisão original da pessoa, ou não.

Em seguida, os pesquisadores foram capazes de determinar que o cérebro usa o mesmo código neural para obter informações sobre as probabilidades da loteria, como para avaliação ou dinheiro, usando uma técnica de aprendizado de máquina (chamada de regressão vetorial de suporte). Isso permitiu que eles olhassem para o código neural de como o cérebro responde a quantias variáveis de dinheiro, e depois perguntassem se o mesmo código pode ser usado para prever quanto uma pessoa pagará pela informação. Pode.

Em outras palavras, assim como podemos converter coisas tão díspares quanto uma pintura, um jantar e férias em um valor em dólares, o cérebro converte a curiosidade em informação no mesmo código comum usado para dinheiro e outras recompensas concretas, disse Hsu. .

“Podemos olhar para o cérebro e dizer o quanto alguém quer uma informação e depois traduzir essa atividade cerebral em valores monetários”, disse ele.

Embora a pesquisa não aborde diretamente o consumo excessivo de informações digitais, o fato de as informações envolverem o sistema de recompensas do cérebro é uma condição necessária para o ciclo de dependência, disse ele. E isso explica por que encontramos esses alertas dizendo que fomos marcados em uma foto de forma irresistível.

“A maneira como nossos cérebros respondem à antecipação de uma recompensa prazerosa é uma razão importante pela qual as pessoas são suscetíveis ao clickbait (caça clique)”, disse ele. “Assim como a junk food, essa pode ser uma situação em que os mecanismos anteriormente adaptativos são explorados agora que temos acesso sem precedentes a novas curiosidades”.


Fontes:

UC Berkeley, Neuroscience News

Pesquisa Original: Acesso Fechado

Common neural code for reward and information value”. Kenji Kobayashi 
and Ming Hsu.

RECOMENDAMOS


COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.