O estresse é uma experiência humana universal com a qual quase todo mundo lida de vez em quando. Mas um novo estudo descobriu que não apenas algumas pessoas relatam não sentir estresse algum, mas que pode haver desvantagens em não sentir estresse.

Os pesquisadores descobriram que as pessoas que relataram não experimentar estressores tinham maior probabilidade de experimentar melhor bem-estar diário e menos condições crônicas de saúde. No entanto, eles também eram mais propensos a ter uma função cognitiva inferior.

David M. Almeida, professor de desenvolvimento humano e estudos da família na Penn State, disse que o estudo sugere que pequenos estressores diários podem beneficiar o cérebro, apesar de serem um inconveniente.

“É possível que passar por fatores estressantes crie oportunidades para você resolver um problema, por exemplo, consertar seu computador que quebrou repentinamente antes de uma reunião importante do Zoom”, disse Almeida. “Portanto, experimentar esses fatores de estresse pode não ser agradável, mas eles podem forçá-lo a resolver um problema, e isso pode realmente ser bom para o funcionamento cognitivo, especialmente à medida que envelhecemos.”

De acordo com os pesquisadores, um grande número de estudos anteriores relacionou o estresse com um risco maior de muitos resultados negativos, como doenças crônicas ou pior bem-estar emocional. Mas Almeida disse que embora possa fazer sentido acreditar que quanto menos estresse uma pessoa experimenta, mais saudável ela será, ele disse que poucas pesquisas exploraram essa suposição.

“Sempre partiu do princípio de que o estresse faz mal”, disse Almeida. “Eu dei um passo para trás e pensei, e as pessoas que relatam nunca ter tido estresse? Meu trabalho anterior se concentrou em pessoas que têm níveis de estresse mais altos e mais baixos, mas nunca questionei como seria se as pessoas não experimentassem nenhum estresse. Eles são os mais saudáveis ​​de todos? ”

Os pesquisadores usaram dados de 2.711 participantes para o estudo. Antes do início do estudo, os participantes realizaram um breve teste de cognição. Em seguida, os participantes foram entrevistados todas as noites durante oito noites consecutivas e responderam a perguntas sobre seu humor, condições crônicas que possam ter, seus sintomas físicos – como dores de cabeça, tosse ou garganta inflamada – e o que fizeram durante o dia.

Os participantes também relataram a quantidade de estressores – como desentendimentos com amigos e familiares ou um problema no trabalho – e a quantidade de experiências positivas, como rir com alguém em casa ou no trabalho, vivenciados nas 24 horas anteriores.

Depois de analisar os dados, os pesquisadores descobriram que parecia haver benefícios para aqueles que não relataram estressores durante o estudo, cerca de 10% dos participantes. Esses participantes eram menos propensos a ter condições crônicas de saúde e vivenciar um melhor humor ao longo do dia.

No entanto, aqueles que não relataram estressores também tiveram desempenho inferior no teste de cognição, com diferença igualando mais de oito anos de idade. Além disso, eles também eram menos propensos a relatar dar ou receber apoio emocional, bem como menos propensos a vivenciar coisas positivas acontecendo ao longo do dia.

Leia também: Quatro coisas que você pode fazer para apoiar a saúde mental de seu filho

“Eu acho que há uma suposição de que eventos negativos e eventos positivos são esses pólos opostos, mas na realidade eles estão correlacionados”, disse Almeida. “Mas, realmente, acho que passar por pequenos estressores diários como ter uma discussão com alguém ou ter seu computador quebrado ou talvez ficar preso no trânsito, acho que pode ser um marcador para alguém que tem uma vida ocupada e talvez plena. Ter um pouco de estresse é apenas um indicador de que você está engajado na vida. ”

Almeida disse que as descobertas – publicadas recentemente na revista Emotion – sugerem que pode não ser tão importante evitar o estresse quanto mudar a forma como você reage ao estresse.

“Os estressores são eventos que criam desafios nas nossas vidas”, disse Almeida. “E acho que passar por estressores faz parte da vida. Pode haver benefícios potenciais nisso. Acho que o importante é como as pessoas respondem aos fatores de estresse. Responder a um estressor ficando chateado e preocupado é mais prejudicial à saúde do que o número de estressores que você encontra. ”

Susan T. Charles, Universidade da Califórnia, Irvine; Jacqueline Mogle, Penn State; e Hye Won Chai, da Penn State, também participaram desse trabalho.

Fonte: Penn State

 

 

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.