A longevidade extrema provavelmente continuará a aumentar lentamente até o final deste século, de acordo com novas pesquisas, com estimativas mostrando que uma vida útil de 125 anos, ou mesmo 130 anos, é possível.

O número de pessoas que vivem além dos 100 anos está aumentando há décadas, chegando a quase meio milhão de pessoas em todo o mundo.

Existem, no entanto, muito menos “supercentenários”, pessoas que vivem até os 110 anos ou até mais. A pessoa viva mais velha, Jeanne Calment, da França, tinha 122 anos quando morreu em 1997; atualmente, a pessoa mais velha do mundo é Kane Tanaka, do Japão, de 118 anos.

“As pessoas são fascinadas pelos extremos da humanidade, seja indo à lua, a velocidade com que alguém pode correr nas Olimpíadas ou até mesmo quanto tempo uma pessoa pode viver”, diz o autor principal Michael Pearce, estudante de doutorado em estatística na Universidade de Washington. “Com este trabalho, quantificamos a probabilidade de acreditarmos que algum indivíduo atingirá várias idades extremas neste século.”

A longevidade tem ramificações para políticas governamentais e econômicas, bem como para as próprias decisões de saúde e estilo de vida dos indivíduos, tornando o que é provável, ou mesmo possível, relevante em todos os níveis da sociedade.

O novo estudo em Pesquisa Demográfica usa modelagem estatística para examinar os extremos da vida humana. Com a pesquisa em andamento sobre o envelhecimento, as perspectivas de futuras descobertas médicas e científicas e o número relativamente pequeno de pessoas que chegaram comprovadamente aos 110 anos ou mais, os especialistas têm debatido os possíveis limites para o que é referido como a idade máxima relatada na morte. Enquanto alguns cientistas argumentam que doenças e deterioração celular básica levam a um limite natural na expectativa de vida humana, outros afirmam que não há limite, como evidenciado por supercentenários que quebraram recordes.

Pearce e Adrian Raftery, professor de sociologia e estatística, adotaram uma abordagem diferente. Eles perguntaram qual poderia ser a maior expectativa de vida humana em qualquer lugar do mundo até o ano 2100. Usando estatísticas Bayesianas, uma ferramenta comum nas estatísticas modernas, os pesquisadores estimaram que o recorde mundial de 122 anos quase certamente será quebrado, com uma grande probabilidade de pelo menos uma pessoa vivendo em qualquer lugar entre 125 e 132 anos.

Para calcular a probabilidade de viver além dos 110 anos – e com que idade – Raftery e Pearce recorreram à iteração mais recente do International Database on Longevity, criado pelo Max Planck Institute for Demographic Research. Esse banco de dados rastreia supercentenários de 10 países europeus, além de Canadá, Japão e Estados Unidos.

Usando uma abordagem bayesiana para estimar a probabilidade, a equipe criou projeções para a idade máxima relatada na morte em todos os 13 países de 2020 a 2100.

Entre suas descobertas:

• Os pesquisadores estimaram quase 100% de probabilidade de que o recorde atual da idade máxima relatada na morte – 122 anos, 164 dias de Calment – seja quebrado;

• A probabilidade continua forte de uma pessoa viver mais, até 124 anos (99% de probabilidade) e até 127 anos (68% de probabilidade);

• Uma expectativa de vida ainda maior é possível, mas muito menos provável, com uma probabilidade de 13% de alguém viver até os 130 anos;

• É “extremamente improvável” que alguém vivesse até 135 anos neste século.

Do jeito que está, supercentenários são discrepantes, e a probabilidade de quebrar o recorde de idade atual aumenta apenas se o número de supercentenários crescer significativamente. Com uma população global em contínua expansão, isso não é impossível, dizem os pesquisadores.

Pessoas que alcançam longevidade extrema ainda são raras o suficiente para representarem uma população selecionada, diz Raftery. Mesmo com o crescimento populacional e os avanços na área da saúde, ocorre um achatamento da taxa de mortalidade após uma determinada idade. Em outras palavras, alguém que vive até os 110 anos tem quase a mesma probabilidade de viver mais um ano que, digamos, alguém que vive até os 114, que é cerca da metade.

“Não importa quantos anos eles têm, quando chegam aos 110, eles ainda morrem na mesma taxa”, diz Raftery. “Eles superaram todas as várias coisas que a vida joga em você, como a doença. Eles morrem por motivos um tanto independentes do que afeta os mais jovens. Este é um grupo muito seleto de pessoas muito robustas. ”

O financiamento para o estudo veio do Instituto Nacional de Saúde Infantil e Desenvolvimento Humano.

Artigo originalmente publicado em World Economic Forum

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.