Imagine ver o mundo em sombras suaves – céu cinza, grama cinza. Algumas pessoas com daltonismo veem tudo dessa maneira, embora a maioria não consiga ver cores específicas. Óculos coloridos podem ajudar, mas não podem ser usados ​​para corrigir a visão embaçada. E as lentes de contato tingidas atualmente em desenvolvimento para a doença são potencialmente prejudiciais e instáveis.

Agora pesquisadores relatam infundir lentes de contato com nanopartículas de ouro para criar uma maneira mais segura de ver as cores.

Algumas atividades diárias, como determinar se uma banana está madura, selecionar roupas que combinem ou parar em um sinal vermelho, podem ser difíceis para quem é daltônico. A maioria das pessoas com esse distúrbio genético tem dificuldade em distinguir os tons de vermelho e verde, e os óculos vermelhos podem tornar essas cores mais proeminentes e fáceis de ver. No entanto, essas lentes são volumosas e o material da lente não pode ser feito para corrigir problemas de visão.

Leia também: Empresa de lentes de contato promete “dar superpoderes aos nossos olhos”

Assim, os pesquisadores mudaram para o desenvolvimento de lentes de contato coloridas especiais. Embora o protótipo de lentes tingidas em rosa choque tenha melhorado a percepção da cor vermelho-verde em testes clínicos, elas lixiviam a tinta, o que gerou preocupações quanto à sua segurança. Nanocompósitos de ouro não são tóxicos e têm sido usados ​​por séculos para produzir “vidro de cranberry” devido à forma como eles espalham a luz.

Então, Ahmed Salih, Haider Butt e seus colegas queriam ver se a incorporação de nanopartículas de ouro em material de lente de contato em vez de corante poderia melhorar o contraste vermelho-verde com segurança e eficácia.

Para fazer as lentes de contato, os pesquisadores misturaram uniformemente nanopartículas de ouro em um polímero de hidrogel, produzindo géis cor de rosa que filtravam a luz em 520-580 nm, os comprimentos de onda onde o vermelho e o verde se sobrepõem. As lentes de contato mais eficazes foram aquelas com nanopartículas de ouro de 40 nm de largura, porque em testes, essas partículas não aglutinaram ou filtraram mais cor do que o necessário.

Além disso, essas lentes tinham propriedades de retenção de água semelhantes às comerciais e não eram tóxicas para as células que cresciam em placas de Petri no laboratório. Finalmente, os pesquisadores compararam diretamente seu novo material com dois pares de óculos coloridos disponíveis no mercado e suas lentes de contato coloridas em rosa choque, desenvolvidas anteriormente. As lentes nanocompósitos de ouro foram mais seletivas nos comprimentos de onda que bloquearam do que os óculos.

As novas lentes combinavam com a faixa de comprimento de onda das lentes de contato tingidas, sugerindo que os nanocompósitos de ouro seriam adequados para pessoas com problemas de cor vermelho-verde sem as preocupações potenciais de segurança. Os pesquisadores afirmam que o próximo passo é realizar testes clínicos com pacientes humanos para avaliar o conforto.

Fonte: ACS   /   Imagem: A imagem é creditada a ACS Nano

Pesquisa original: Gold nanocomposite contact lenses for color blindness management

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.