O continente africano agora está livre da poliomielite selvagem, o vírus que ocorre naturalmente no meio ambiente.

Em uma conquista histórica de saúde pública, as 47 nações da região da África da Organização Mundial da Saúde foram certificadas como livres do poliovírus selvagem na terça-feira.

A declaração vem quatro anos depois que o continente relatou seu último caso de poliovírus selvagem, na Nigéria, e 24 anos depois de lançar uma ambiciosa campanha de erradicação.

Mas a luta da região contra a pólio não acabou – a pólio derivada da vacina ainda representa uma ameaça.

A Campanha Chute a Pólio para Fora da África lançada em 1996. Na época, o poliovírus selvagem paralisava cerca de 75.000 crianças no continente a cada ano. Agora, o continente não registra nenhum caso de poliomielite selvagem desde agosto de 2016, e a Comissão Independente de Certificação Regional da África afirma que a região da África da Organização Mundial de Saúde está livre da poliomielite selvagem.

“Este é um marco importante para a África. Agora as futuras gerações de crianças africanas podem viver livres da poliomielite selvagem”, disse o Dr. Matshidiso Moeti , diretor regional da OMS para a África.

A conquista é o resultado de esforços hercúleos de vacinação e vigilância pela comunidade internacional e profissionais de saúde, muitas vezes trabalhando em algumas das áreas mais perigosas da África. Como Moeti observou, alguns desses trabalhadores da saúde perderam a vida “por esta nobre causa”. Na Nigéria, eles se aventuraram em território insurgente logo após as explosões de bombas para entregar vacinas às crianças.

A Organização Mundial da Saúde disse que a campanha evitou cerca de 1,8 milhão de casos de paralisia em crianças e salvou cerca de 180.000 vidas. Moeti disse que a erradicação é um símbolo do que é possível quando o mundo funciona junto. “É um lembrete vívido de que as vacinas funcionam e que as ações coletivas das comunidades, governos e parceiros podem trazer mudanças tremendas”, disse Moeti durante uma celebração realizada em Zoom.

“O fim da pólio selvagem na África é um grande dia”, disse o Diretor-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus. “Mas, como todos sabemos, não é o fim da poliomielite.”

O vírus selvagem ainda está presente no Paquistão e no Afeganistão.

E há outro tipo de pólio que é problemático. Dezesseis nações africanas estão lutando contra surtos do que é chamado de “poliomielite derivada da vacina”. Esta é uma forma de poliomielite que se origina da vacina oral contra a poliomielite usada em países de baixa renda porque é barata e fácil de administrar.

A vacina oral contém uma versão viva, mas enfraquecida, do vírus da poliomielite. O vírus se replica dentro do intestino da criança e, eventualmente, é excretado. Em locais com falta de saneamento, a matéria fecal pode entrar no abastecimento de água potável e o vírus pode começar a se espalhar de pessoa para pessoa. Isso já foi considerado um recurso útil da vacina oral, uma vez que pode ajudar crianças não vacinadas a se tornarem imunes. No entanto, em casos raros, em locais com saneamento deficiente e grande número de crianças não vacinadas, o vírus atenuado pode sofrer mutação na natureza e recuperar a força a ponto de causar paralisia.

Nos Estados Unidos e em outras nações mais ricas, as crianças recebem uma injeção de vacina contra a poliomielite que contém o vírus inativado.

Para combater surtos de poliomielite derivados de vacinas, a OMS tem enviado uma equipe de resposta rápida na África desde o outono passado.

“Na verdade, é um enigma interessante. A própria ferramenta que você está usando para a erradicação [da pólio] está causando o problema”, disse Raul Andino , professor de microbiologia da Universidade da Califórnia, em San Francisco, à NPR em 2017.

A poliomielite selvagem é o segundo vírus a ser erradicado do continente africano; a primeira foi a varíola, que foi erradicada há 40 anos.

Enquanto a OMS e as autoridades de saúde pública de toda a África comemoraram sua conquista histórica contra o poliovírus selvagem, eles também reconheceram os desafios colocados pela atual pandemia de coronavírus.

Henrietta Fore , diretora executiva da UNICEF, chamou o COVID-19 de “uma emergência de saúde global que não só ameaça a vida das pessoas, mas também interrompe nosso trabalho de entrega da vacina contra a poliomielite e de muitas outras intervenções que salvam vidas na África”.

Fore e outros observaram que, em alguns países africanos, as mesmas redes de saúde desenvolvidas para erradicar a pólio selvagem estão agora sendo usadas para ajudar a apoiar a resposta à pandemia. “Juntos”, disse Fore, “vamos revelar mais uma vez o poder da unidade africana para reunir as pessoas em torno de uma causa comum.”

Fontes: BBC / ScienceAlert / G1   / Créditos da imagem: Reprodução Youtube

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.