Fazer com que as crianças tomem remédios é notoriamente difícil – elas freqüentemente hesitam ao sentir o gosto de remédios líquidos e se recusam a engolir pílulas ou comprimidos. Para os pais de crianças que precisam tomar remédios a cada poucas horas, pode ser uma luta diária.

Pesquisadores do MIT e do Brigham and Women’s Hospital estavam tentando desenvolver uma maneira melhor das crianças tomarem remédios – e acabaram criando um novo sistema de administração de medicamentos estranho, que poderia ajudar em tudo, desde diabetes até obesidade .

Alvejando o forro intestinal

Quando você toma um medicamento por via oral, ele viaja pelo trato gastrointestinal, onde é decomposto e absorvido pela corrente sanguínea. A maior parte dessa absorção ocorre no intestino delgado, de modo que os pesquisadores por trás do novo método de administração de drogas visaram esse órgão.

“Reconhecemos seu potencial”, disse o pesquisador C. Giovanni Traverso em um resumo de pesquisa . “Se pudéssemos ter como alvo específico este local, abriria novos caminhos para a entrega de drogas e modulação nutricional.”

Eles começaram desenvolvendo um adesivo que grudava na parede intestinal, fazendo experiências com um polímero pegajoso que ajuda os mexilhões a se prenderem às rochas.

O próximo problema era fazer com que esse polímero (chamado polidopamina) revestisse o intestino delgado. Para um estudo de prova de conceito , eles decidiram tirar proveito da química natural do corpo.

O intestino delgado é o lar de uma enzima chamada catalase, que pode quebrar o peróxido de hidrogênio para liberar oxigênio. Enquanto isso, o oxigênio faz com que o hormônio dopamina se reúna em polidopamina.

Ao combinar dopamina líquida com um pouco de peróxido de hidrogênio, os pesquisadores criaram uma substância que poderia entrar no trato digestivo e viajar até o intestino delgado, onde as enzimas catalase a transformarão em polidopamina. Lá, a substância permaneceria por cerca de 24 horas, antes de ser eliminada, assim como as células que normalmente compõem o revestimento intestinal.

Uma vez no lugar, essa gosma que reveste o intestino pode fornecer medicamentos, proteínas ou enzimas exatamente onde são necessários, o dia todo. Também pode ajudar a resolver problemas nutricionais, como a incapacidade de digerir certos alimentos (como a lactose) ou limitar a absorção de glicose excessiva, que pode causar diabetes e obesidade.

O fato de permanecer no local por um dia inteiro é o que torna o sistema potencialmente útil para crianças – em vez de obrigar uma criança a tomar um medicamento a cada poucas horas, por exemplo, os médicos precisariam apenas administrá-lo uma vez ao dia.

Sistema de entrega de medicamentos bebíveis

Os pesquisadores testaram sua criação, apelidada de sistema de “revestimento epitelial sintético gastrointestinal” (GSEL), em porcos e ratos, bem como em amostras de tecido GI humano.

Em porcos, eles descobriram que o GSEL pode fornecer uma enzima que ajuda a combater a intolerância à lactose. Eles também poderiam modificar o GSEL para bloquear a absorção de glicose no intestino delgado, sugerindo seu uso futuro como tratamento para diabetes ou obesidade.

Eles também testaram o sistema em porcos como método de administração de uma droga usada para combater vermes parasitas.

Normalmente, uma pessoa (ou porco) precisaria receber este medicamento três vezes ao dia, mas eles descobriram que o GSEL estendeu muito a quantidade de tempo que o medicamento permaneceu no corpo. Se administrado via GSEL, o paciente precisaria apenas de uma dose por dia, o que poderia ser útil ao medicar pacientes jovens.

Para os experimentos com suínos, os pesquisadores colocaram GSEL diretamente no intestino delgado do animal, mas agora estão trabalhando para tornar o sistema totalmente ingerível, na forma de líquido ou pílula.

Ainda há muita pesquisa a ser feita antes dos testes em humanos, mas o GSEL tem um tremendo potencial como um sistema de entrega de drogas para pacientes jovens e idosos.

Fonte: Free Think     /     Foto de capa: Melanie Gonick, MIT

 

 

 

 

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.