O câncer de cólon está aumentando entre as pessoas com menos de 50 anos, e a pergunta de um milhão de dólares é por quê.

Agora, uma nova pesquisa sugere que certos fatores de estilo de vida, como comer muita carne vermelha e consumo excessivo de álcool , podem desempenhar um papel neste aumento.

“A ocorrência de câncer colorretal em pessoas com menos de 50 anos de idade está aumentando em muitos países, mas as causas disso são mal compreendidas [e] nossa pesquisa é o primeiro esforço em grande escala para identificar essas causas, fornecendo pistas precoces para a identificação daqueles em maior risco “, disse o autor do estudo Richard Hayes, professor de saúde populacional e medicina ambiental da NYU Langone Health em Nova York.

As descobertas se encaixam com o anúncio na terça-feira da Força-Tarefa de Serviços Preventivos dos EUA de que vai reduzir a idade recomendada para a primeira colonoscopia de 50 para 45 em pessoas com risco médio de câncer de cólon.

Para entender melhor quais fatores de estilo de vida podem estar desempenhando um papel no aumento do câncer de cólon em jovens, os pesquisadores analisaram dados de 13 estudos que incluíram pessoas que desenvolveram câncer de cólon antes dos 50 e depois dos 50, junto com seus colegas sem histórico de câncer de cólon.

Leia também: Cientistas encontram 140.000 espécies de vírus no intestino humano, e a maioria é desconhecida

Além de comer mais carne vermelha e consumir quantidades excessivas de álcool, as pessoas que foram diagnosticadas com câncer de cólon de início precoce não tomaram medicamentos antiinflamatórios não esteróides (AINEs) como aspirina regularmente e não foram tão longe na escola quanto seus homólogos que não desenvolveram câncer antes dos 50 anos. A aspirina em baixas doses diárias pode reduzir o risco de câncer de cólon.

Todos esses fatores também aumentam o risco de desenvolver câncer de cólon após os 50 anos. Em contraste, o índice de massa corporal (IMC, uma estimativa da gordura corporal com base na altura e peso ) e tabagismo não foram fatores de risco no câncer de cólon de início precoce, mas eles estavam em casos de início tardio.

Quando os pesquisadores analisaram os riscos de câncer de cólon pelo local onde o câncer foi encontrado, eles notaram que as pessoas que não comiam alimentos ricos em fibras em quantidade suficiente tinham maior probabilidade de desenvolver câncer no reto do que no cólon.

Esses riscos eram semelhantes entre homens e mulheres, disse Hayes. A pesquisa não incluiu negros ou não brancos suficientes para tirar conclusões sobre o papel da raça no risco de câncer de cólon antes dos 50 anos, disse ele.

“É importante que esta área de pesquisa se expanda a outros grupos raciais e étnicos no futuro”, disse Hayes.

Leia também: A ligação entre bactérias intestinais e o comportamento do seu filho ficou mais forte

O estudo foi publicado na edição de junho de 2021 da revista JNCI Cancer Spectrum .

“Este estudo nos fala um pouco sobre pessoas mais jovens que têm esses fatores de risco e se eles vieram com sintomas abdominais e tiveram alguns desses riscos, podemos recomendar um rastreamento mais precoce ou mais frequente”, disse a Dra. Neeha Zaidi, professora assistente de oncologia na Johns Hopkins Medicine em Baltimore. Ela não estava envolvida no novo estudo.

O aumento do câncer de cólon entre pessoas com menos de 50 anos provavelmente não é impulsionado por genes, disse Heather Hampel, conselheira genética do Comprehensive Cancer Center da Ohio State University – Programa de Carcinogênese Molecular e Quimioprevenção James.

“É bom que o novo artigo tenha confirmado alguns desses riscos que vimos em outros estudos, mas esperávamos identificar algo específico para o câncer colorretal de início precoce que pode ser novo desde 1960”, disse ela.

“Não há indícios de porque o câncer de cólon de início precoce está aumentando tão dramaticamente”, disse Hampel, que não fez parte do estudo.

Até que os pesquisadores localizem a causa, a melhor maneira de ficar à frente do câncer de cólon é seguir as diretrizes de rastreamento, conhecer sua história familiar e ter uma dieta saudável, disse ela.

Fonte: WEBMD

[

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.