Uma nova pesquisa descobriu que as selfies dos turistas podem estar colocando os gorilas das montanhas em risco de contrair COVID-19.

Especialistas em conservação de primatas da Oxford Brookes University no Reino Unido estudaram cerca de 1.000 postagens no Instagram de pessoas que visitaram a espécie na África Oriental.

A equipe concluiu que a maioria dos viajantes estava perto o suficiente dos animais, enquanto tirava as fotos, para transmitir o vírus – principalmente porque a maioria não usava máscara facial.

Os pesquisadores descreveram as descobertas como “muito preocupantes”, destacando o risco real de transmissão de doenças entre turistas e gorilas.

“É vital que fortaleçamos e apliquemos os regulamentos turísticos para garantir que as práticas de trekking do gorila não ameacem ainda mais esses grandes macacos já ameaçados”, disse o autor principal Gaspard Van Hamme.

Leia também: Cães destacados no aeroporto de Helsinque podem detectar COVID-19 com precisão de quase 100%

“Nas fotos que analisamos, descobrimos que máscaras raramente eram usadas por turistas que visitavam gorilas e isso traz potencial para a transmissão de doenças entre as pessoas e os gorilas que eles visitam”, explica a Dra. Magdalena Svensson, professora de antropologia biológica em Oxford Brookes.

“Com as pessoas em todo o mundo se acostumando a usar máscaras faciais, temos esperança de que, no futuro, o uso de máscaras se torne uma prática comum no trekking de gorila.”

No mês passado, a IUCN emitiu um conjunto de diretrizes pedindo aos cientistas que parem de compartilhar selfies com primatas, devido a preocupações de que as fotos possam estar impulsionando o comércio ilegal de animais selvagens. De acordo com a pesquisa desta semana, parece que as fotos do Instagram podem ser a força motriz por trás do problema aqui também.

Leia também: A ligação assustadora entre as mudanças climáticas e a pandemia

“Os turistas estão dispostos a compartilhar seus encontros muito próximos com gorilas da montanha por meio do Instagram, o que cria expectativas para os turistas futuros”, disse a Dra. Gladys Kalema-Zikusoka da Conservation Through Public Health, Uganda.

“Isso destaca a grande necessidade de um turismo responsável fornecer proteção adequada e, ao mesmo tempo, minimizar a transmissão de doenças, especialmente agora durante a pandemia COVID-19”, acrescenta ela.

Qual é o risco para gorilas e outros mamíferos?

De acordo com biólogos, houve muitos exemplos de grandes macacos, como gorilas, com doenças respiratórias geralmente encontradas em humanos.

“Os macacos são suscetíveis a doenças respiratórias e podem apresentar sintomas mais fortes do que os humanos e, obviamente, não têm acesso a tratamento”, explicou Martha Robbins, conservacionista do Instituto Max Planck na Alemanha, à Forbes.

No passado, outros surtos de doenças afetaram grandes macacos de forma semelhante aos humanos. De 2002 a 2003, o ebola matou 5.500 gorilas ocidentais ameaçados no santuário Lossi, na República do Congo, com o vírus causando um terço das mortes de gorilas na RDC desde os anos 1990 . Teme-se que uma disseminação semelhante de COVID-19 também devastaria as populações remanescentes de grandes macacos.

No mês passado, gorilas em cativeiro no Zoológico de San Diego, EUA, deram positivo para o vírus que causa COVID-19. Os macacos eram os últimos em uma coleção crescente de animais não humanos que contraíram a doença.

Quatro leões testaram positivo no zoológico de Barcelona em dezembro passado, apenas no segundo caso conhecido de grandes felinos com teste positivo para COVID-19. Acredita-se que eles foram expostos ao vírus pela equipe, mas felizmente todos se recuperaram totalmente.

De acordo com a CNN, pelo menos 2.000 animais só nos Estados Unidos tiveram teste positivo para o coronavírus em outubro do ano passado. A maioria desses casos (80 por cento) ocorreu em cães e gatos cujos donos também não estavam bem.

O que é ‘turismo de grandes macacos’?

Específico ‘turismo de grandes macacos’ ou ‘trekking de gorila’ foi interrompido em março passado, na esteira da pandemia. Mas no verão passado, como a viagem foi parcialmente reaberta, os visitantes puderam retornar a algumas partes de Uganda, Ruanda e República Democrática do Congo.

Este tipo de turismo foi polêmico no passado, com críticos acusando os operadores turísticos de práticas exploratórias. No entanto, nos últimos anos, tem havido um impulso para que o foco seja o financiamento da conservação, com a IUCN divulgando diretrizes para garantir que o turismo seja usado de maneira adequada.

O impacto financeiro da pandemia já prejudicou os projetos de vida selvagem em todo o mundo, mas especialmente na África. O Parque Nacional de Virunga na RDC é um Patrimônio Mundial da UNESCO e lar de mais da metade da população global de gorilas da montanha – mas o parque está fechado desde o final de março.

Leia também: Pneus velhos viram trilhos sustentáveis na Itália

Os guardas-florestais da reserva também enfrentam conflitos crescentes com caçadores ilegais e outros assaltantes desde o fechamento do santuário, com 12 guardas-florestais mortos em abril e mais seis no mês passado.

Sem visitantes para ajudar a financiar o parque, o futuro dos vulneráveis ​​grandes macacos – e daqueles que arriscam suas vidas para protegê-los – é incerto. Mas em maio passado, o ator e filantropo Leonardo DiCaprio ajudou a salvar Virunga como parte de uma doação de 1,8 milhão de euros.

Espera-se que esse financiamento ajude a proteger e financiar o santuário até que seja seguro para o retorno dos visitantes.

E se você está planejando visitar qualquer grande macaco no futuro, os pesquisadores da Oxford Brookes aconselham manter uma distância de pelo menos sete metros e usar uma máscara enquanto a pandemia ainda estiver em curso.

CNN

 

RECOMENDAMOS






Ter saber é ter saúde.