Países da Europa, Ásia e Américas administraram mais de 175 milhões de injeções para proteger as pessoas contra COVID-19 desde dezembro de 2020, com a maioria dos países dando prioridade aos trabalhadores médicos. Mas nem um único país da África Subsaariana iniciou a imunização – a África do Sul será o primeiro, esta semana – deixando profissionais de saúde morrendo em lugares onde são escassos para começar

O número exato de COVID-19 entre os profissionais de saúde é difícil de avaliar, vários desses profissionais sucumbiram nas últimas semanas na África, que sofre uma segunda onda de pandemia.

A vizinha Moçambique perdeu um anestesiologista, um gastroenterologista e um urologista nas últimas semanas, diz a parasitologista Emilia Noormahomed da Universidade Eduardo Mondlane, bem como dois jovens médicos de cuidados gerais.

Leia também: OMS declara erradicação da poliomielite na África 

Muitos outros estão gravemente doentes. Essas perdas atingiram fortemente Moçambique, que tem apenas cerca de oito médicos por 100.000 pessoas, em comparação com quase 300 nos Estados Unidos. “Vai levar literalmente uma geração inteira para reconstruir” a partir de tais perdas, diz Ashish Jha, reitor da Escola de Saúde Pública da Brown University.

Iniquidades globais existem desde o início da pandemia COVID-19. UTIs, ventiladores e oxigênio são escassos em todo o continente africano, por exemplo. Mas nos primeiros meses, as medidas básicas de saúde pública necessárias para controlar a propagação do vírus colocaram os países mais ou menos em pé de igualdade, disse John Nkengasong, chefe dos Centros Africanos para Controle e Prevenção de Doenças. E a África resistiu à pandemia relativamente bem, em parte por causa de sua população jovem.

Mas agora, o lançamento de vacinas colocou os países ricos em uma vantagem definitiva. Muitos apostaram em várias vacinas e firmaram contratos de doses suficientes para imunizar várias vezes suas populações, restringindo o abastecimento para o resto do mundo.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), três quartos de todas as vacinações até agora aconteceram em 10 países que respondem por 60% do produto interno bruto global; 130 países ainda não administraram uma única dose. “Não sei por que não há um clamor enorme para fazer algo a respeito”, diz Gavin Yamey, do Instituto de Saúde Global da Duke University. “O mundo está à beira de um fracasso moral catastrófico”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, em janeiro.

Leia também: Selfies de turistas podem estar espalhando Covid para gorilas da montanha ameaçados de extinção

Além do argumento moral, há sólidas razões econômicas e de saúde pública para diminuir a diferença. A vacinação das pessoas em maior risco em todo o mundo reduziria mais cedo as hospitalizações e mortes em todos os lugares, permitindo que as sociedades se reabrissem e as economias se recuperassem. Também pode ajudar a reduzir a circulação do vírus globalmente, diminuindo o risco de surgimento de novas variantes do vírus.

A OMS e outras organizações internacionais trabalharam para reduzir a lacuna por meio do COVID-19 Vaccines Global Access (COVAX) Facility, um mecanismo conjunto para adquirir bilhões de doses de várias vacinas e distribuí-las aos países participantes. Está começando a dar frutos, embora lentamente: na segunda-feira, a OMS divulgou uma lista de uso emergencial para duas versões da vacina AstraZeneca-University of Oxford, fabricada pelo Serum Institute of India e pela SKBio, uma empresa sul-coreana.

A COVAX espera começar a fornecer as vacinas aos países este mês e enviar mais de 300 milhões de doses na primeira metade do ano, incluindo 1,15 milhões para o Zimbabwe e 2,43 milhões para Moçambique. Também está planejando distribuir 1,2 milhão de doses da vacina Pfizer-BioNTech.

Para garantir mais vacina mais cedo, os países africanos formaram uma força-tarefa de aquisição de vacinas que, com financiamento da empresa de telefonia móvel MTN Group, já comprou 7 milhões de doses da vacina AstraZeneca-Oxford. As primeiras 1,5 milhão de doses devem ser enviadas para 19 países em 22 de fevereiro, permitindo que os profissionais de saúde desses países sejam vacinados até o final daquela semana.

As informações são de SCIENCEMAG    / Foto IMF / James Oatway / Flickr

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Revista Saber é Saúde
Ter saber é ter saúde.